Cromo de Tom Brady vendido por 1,3 milhões de dólares

Futebol Americano 05-03-2021 15:45
Por Rui Miguel Melo

No draft de 2000 da NFL, Tom Brady esperou pela sexta ronda para ser escolhido. O primeiro atleta a ouvir o nome foi Courtney Brown, pelos Cleveland Brows. Brady foi o 199.º jogador, com os New England Patriots a escolherem o quarterback da Universidade de Michigan. Em 2021, 21 anos depois, o estatuto de Brady é tal que o cromo de rookie dele acaba de ser vendido por 1,32 milhões de dólares, qualquer coisa como 1,1 milhões de euros. O cromo é apenas um de cem exemplares, e assinado pelo jogador norte-americano.

 

O comprador é James Perk, um colecionador de cromos (ou cards nos EUA, já que muitos são cartões, não autocolantes como se costuma colecionar em Portugal), residente em Boston, estado dos Patriots, e fã do agora jogador dos Tampa Bay Buccaneers, vencedores do último Super Bowl, contra os Kansas City Chiefs. «Vivo em Boston há dez anos e sou um grande fã do Brady. O último Super Bowl foi de loucos. Coleciono cromos desde miúdo. Tendo em conta que o Brady é o GOAT (Greatest Of All Time, o melhor de todos os tempos), este cromo é uma peça histórica no desporto mundial. Sinto-me radiante por ter um de apenas cem dos cromos do Tom Brady como rookie», contou James Perk nas redes sociais da PWC Market Place, uma casa de leilões especializada em cromos e cartões de desporto, que mediou a compra do cromo de Tom Brady, vencedor de sete Super Bowl.

 

Não há registo de tanto dinheiro pago por uma peça de coleção deste género. O registo anterior era de um cromo de Patrick Mahomes, quarterback dos Chiefs, vendido por 861 mil dólares. Essa venda bateu outra a envolver Tom Brady, dessa vez com um cromo a ser vendido por 555 mil dólares, de acordo com a ESPN.

 

Os negócios em torno de peças de coleção estão a atingir números de investimento nunca vistos. Segundo uma reportagem do site The Athletic, os corretores de Wall Street começam a virar-se cada vez mais para os investimentos em cromos e cartões raros de desporto, sobretudo no beisebol. Cassius Marsh, linebacker dos Pittsburgh Steelers, investiu fortemente ao longo de anos em cromos de desporto, Pokémon ou Magic The Gathering. O interesse está a subir, com as crianças a mostrarem vontade em possuir algo que parecia guardado para as gerações dos pais.

 

Steve Cohen, multimilionário proprietário dos New York Mets, pagou 850 milhões de dólares no mês passado pela Collectors Universe Inc, uma empresa especializada em cromos, cartões e outros artigos de coleção. Vários desportistas de alta competição estão a investir neste ramo de negócio, como o antigo tenista Andy Roddick ou Kevin Durant, jogador de basquetebol nos Brooklyn Nets.

 

Ler Mais
Comentários (3)

Últimas Notícias