Semenya vai falhar Mundiais

Atletismo 30-07-2019 23:36
Por Nuno Perestrelo

Caster Semenya viu o Tribunal Arbitral do Desporto, de Lausana, revogar a suspensão temporária do regulamento elaborado pela Federação Internacional de Atletismo (IAAF) que afeta as atletas que sofrem de hiperandrogenia. A atleta sul-africana de 28 anos fica, desta forma, impedida de competir nos Mundials de Doha, competição que se realiza entre 27 de setembro e 6 de outubro, o que naturalmente, a afasta da discussão pela renovação do título mundial dos 800 metros.

 

A bicampeã olímpica era apontada como principal favorita à conquista do título Mundial - tem a melhor marca do ano (1.54,98 minutos), obtida em maio, também na capital do Catar.

 

«Estou profundamente desapontada por não poder defender o título que me custou tanto a conquistar, mas tal não vai afastar-me de continuar a lutar pelos direitos humanos de todos os atletas envolvidos», reagiu Semenya numa nota divulgada pelo seu advogado.

 

Em causa está a produção, pelo organismo de Semenya, de elevados níveis de testoesterona, colocando-a perto dos resultados que normalmente os homens apresentam. Tal, defende a IAAF, favorece-a, prejudicando outras mulheres, com níveis de testosterona mais baixos.

 

Para contrariar o alegado favorecimento, de que Semenya discorda, a Federação Internacional de Atletismo implementou um regulamento que obriga as atletas que sofrem de hiperandrogenia a submeterem-se a tratamentos que permitam reduzir os níveis de testoesterona. Algo que Semenya contestou e que vários médicos defendem não ser ético: porque tratar alguém que não sofre de qualquer doença?

 

O regulamento, que o TAS considerou «injusto mas necessário» estava suspenso provisoriamente por ação de Semenya, mas voltou agora a vigorar, após decisão dos juízes do tribunal suíço.

Ler Mais
Comentários (8)

Últimas Notícias