FC Porto não vai além de empate com o Mafra (veja o resumo)

Taça da Liga 25.11.2022 22:55
Por Rui Amorim

O FC Porto teve uma má entrada na presente edição da Taça da Liga ao não ir além de um empate, a duas bolas, na receção ao Mafra. Um desfecho que penaliza a péssima primeira parte dos campeões nacionais, que reagiram depois do intervalo quando o 12.º classificado da Liga 2 já levava dois golos de vantagem.


Com uma entrada muito personalizada no jogo, os visitantes mostraram-se compactos no momento defensivo e inteligentes no desdobramento para o ataque. Assim se desenhou o golo inaugural: bola curta, bola longa e a combinação entre Lucas Silva e Pedro Lucas a libertar o segundo pela faixa, com o ala a encontrar Fati no segundo poste pronto a encostar a bola para o fundo da baliza (16 minutos).


A procura da profundidade fez o anfitrião passar por mais alguns problemas, com maior ênfase para as criações contrárias pela direita. No entanto, foi através de uma bola parada que o resultado ganhou contornos ainda mais escandalosos. Canto, descuido de Bruno Costa e o VAR a sugerir ao árbitro o visionamento das imagens: assinalado o penálti por mão do médio na área, Gui Ferreira enganou Cláudio Ramos e assinou o 0-2 (42’).


Depois de terem poupado o adversário à pressão do jogo e do palco, os dragões tinham de ser, necessariamente, diferentes na segunda parte e o retomar do encontro deu a ver uma equipa mais agressiva, com e sem bola. Numa ligação pelo corredor central, Namaso tabelou com Uribe, caiu e ficou a pedir penálti: Pepê foi o único que não se distraiu com as reclamações e aproveitou da melhor forma uma bola perdida na área para picá-la sobre Samu (48’).


No espaço de sete minutos, João Mário, Toni Martínez e Galeno deixaram a partida à beira do empate, mas o guarda-redes Samu e companhia puderam respirar fundo. Como Pedro Pacheco também o fez quando, de cabeça, na sequência de um canto, ficou perto de voltar a gelar as bancadas. Que sentiriam pouco depois o calor de um pontapé de fogo de Toni Martínez: numa nesga de espaço, o espanhol não perdoou e restabeleceu o empate (70’).


A tendência acentuou-se na reta final do encontro. Intensidade portista, muitas corpos vestidos de amarelo na frente do caminho e pouco discernimento na hora de decidir, com a pressão do relógio e do público. Mattheus Oliveira ainda fez imaginar um último assalto caseiro, ao ver dois amarelos em quatro minutos, mas os mafrenses resistiram firmemente mesmo com menos um homem em campo.


Ler Mais
Comentários (0)

Últimas Notícias

Serviço de apoio ao cliente
Dias úteis das 9.30h às 13h e 14.30h às 18h
E-mail: clientes@abola.pt
Telefone: 213232133 (Chamada para a rede fixa nacional)
Morada: Tv. da Queimada, 23 1249-113, Lisboa Portugal