Patrão da W52-FC Porto diz-se enganado pelos ciclistas

Ciclismo 06.10.2022 08:54
Por Fernando Emílio

Adriano Quintanilha, principal responsável da equipa W52-FC Porto, acusa os ciclistas de o terem enganado ao sempre lhe terem garantido estar limpos e inocentes das acusações de doping, para depois, no decorrer dos processos disciplinares, terem confessado a prática de atos ilícitos.


«Acreditei no Raul Alarcon, no Edgar Pinto e em toda a equipa, porque desconhecia o que eles poderiam fazer nas minhas costas. O resultado está à vista», diz Quintanilha a A BOLA.

«Estou de consciência tranquila. Como responsável pela equipa talvez tivesse de estar mais por dentro do que se passava, mas confiei e contratei aqueles que me pareciam ser os melhores e fui enganado. Por motivos profissionais não poderia acompanhar todos os passos que eles davam e o que eles faziam, tenho responsabilidades para com as minhas empresas e não poderia falhar com os ordenados no fim do mês às centenas de trabalhadores que me acompanham», justifica o empresário de Felgueiras, acrescentando:

«Estou desiludido com tudo o que se está a passar. No dia 26 de abril, os ciclistas apareceram na minha casa e afirmaram que estavam limpos e inocentes, o que se estava a passar não passava de uma perseguição por ser a melhor equipa. Perante estas afirmações, ganhei peito, saí com afirmações em sua defesa, quando afinal era precisamente o contrário. Sempre escolhi para a equipa aqueles que me pareciam ser os melhores e que davam garantias para vencer, principalmente, a Volta a Portugal. Para que nada faltasse, proporcionei-lhes estágios quase todos os meses, ofereci-lhes todas as condições, entre os dias 8 e 10 os ordenados estavam nas contas... Nunca lhes exigi nada, apenas queria que vencessem o que era possível e dentro da legalidade. Sinceramente, nunca me passou pela cabeça que estivessem envolvidos no doping e que fique bem claro que nunca dei um euro que fosse para comprarem substâncias ilícitas. Se forem homens honestos podem confirmar o que estou a dizer.»
 

Quintanilha lamenta nunca ter sido ouvido pelas entidades oficiais: «Por estranho que pareça, e sendo o responsável pela equipa, até agora ninguém me contactou ou informou do que quer que fosse. Estou como sempre estive, disponível para ser ouvido pelo Ministério Publico, Polícia Judiciária e ADoP, para que tudo possa ser devidamente esclarecido. Quero que todos saibam que nada tive a ver com os casos de dopagem, fui enganado. E se alguém disser o contrário é porque está a mentir, como se verificou com as versões dos ciclistas.»
 

Com a suspensão da inscrição da equipa pendente das decisões da UCI, o patrão da W52 conclui: «Sou um apaixonado pelo ciclismo, que também tem servido para a promoção das minhas empresas. Tenho a equipa praticamente formada para o próximo ano, apenas aguardo pela decisão da UCI e da Federação».    

Ler Mais
Comentários (1)

Últimas Notícias