«Depois dos Jogos terei outras prioridades» 

Judo 22-04-2021 08:49
Por Miguel Candeias

«Estou muito agradecida por, ao fim de tantos anos, poder lutar em casa. Há um ano não pensava sequer estar neste Europeu como atleta [sem o adiamento dos Jogos Olímpicos, o campeonato de Lisboa já seria após Tóquio] e foi uma grande oportunidade. Venho a agarrar os desafios e a sair-me bem, por isso só tenho gratidão e ao mesmo tempo alguma ilusão. Trabalharei para que seja realidade, pois estou confiante de que consigo fazer mais e melhor.» O desabafo foi de Joana Ramos (-52 kg) a A BOLA resumindo o que significara a sua participação no recente Europeu Lisboa-2021, que concluiu no 9.º lugar.

 

Única sobrevivente da Seleção Nacional que competiu no Europeu Lisboa-2008 - edição que Telma Monteiro, então ainda nos -52 kg, falhou devido a se ter lesionado numa perna um mês antes -, Joana competiu pela 16.ª(!) vez no campeonato continental com ambições de pódio. Entrou bem, a vencer a georgiana Tetiana Levytska-Shukvani (30.ª do ranking) por ippon, mas na 2.ª ronda, com a italiana Odette Giuffrida, apesar de levar o confronto para ponto de ouro, a judoca do Sporting recebeu terceiro castigo aos 5.09m e foi eliminada. «O combate com a georgiana foi rápido e senti-me explosiva. No segundo, infelizmente, apanhei a campeã da Europa e prata olímpica [Rio-16], embora fosse uma luta bastante equilibrada. Tanto que fomos para golden score», analisou a medalha de prata no Euro Istambul 2011 e bronze em Varsóvia 2017.

 

«A preparar o Mundial de Budapeste [junho] e os Jogos de Tóquio [julho] tenho de investir também nas questões táticas, sobretudo para atletas muito especificas. A luta foi equilibrada, não houve projeções nem nada. Foi uma questão de arbitragem», analisou, sem ressentimento.
 

Leia o artigo completo na edição impressa ou digital de A BOLA.

Ler Mais
Comentários (0)

Últimas Notícias

Mundos