«Quero voltar a vestir a camisola de Portugal»

França 06-03-2021 12:30
Por Entrevista de Paulo Jorge Santos

Fez um jogo pelo Real Madrid, um pela Seleção principal e mais de 100 na Ligue 1 pelo Montpellier, que representa desde 2017. Com contrato até 2023, Pedro Mendes, defesa-central de 30 anos, está feliz e tem objetivos por cumprir, um deles tentar convencer Fernando Santos a chamá-lo...
 

- A BOLA: Depois de Real Madrid, Parma e Sassuolo, está em França desde 2015, primeiro no Rennes e desde 2017 no Montpellier. Quase que faz parte da mobília...

 

- Pedro Mendes: É a minha quarta temporada e está tudo a correr bem. Já cheguei aos 100 jogos na Ligue 1 [tem 101] pelo clube, dos quais mais de 90 por cento a titular. O balanço é, pois, muito positivo.


- Quais os objetivos para esta época, a nível pessoal e coletivos?
 

- Para mim o importante é jogar, dar o meu contributo à equipa. Acho que é o objetivo de qualquer atleta de alta competição. A nível de clube nada foi definido, queremos chegar o mais alto possível na classificação, visar os lugares europeus, mas ainda faltam alguns jogos e estão várias equipas à caça pelo sexto lugar [o Montpellier é 7.º, com 40 pontos em 28 jogos].

 

- Tem contrato com o Montpellier até 2023. Ainda que falte muito tempo, depois é para continuar?
 

- Para já é para continuar. É como diz, ainda falta algum tempo até ao final do contrato e para já não tenho outro cenário em equação. Estou muito bem aqui. Se aparecer alguma coisa logo se verá.

 

- E regressar a Portugal está no horizonte?
 

- Depende de muita coisa, sinceramente não sei. Não lhe posso mesmo dizer nada, é um tiro no escuro. Neste momento nada há de concreto, nem tão pouco conversações com outros clubes. E como estou bem no Montpellier não pedi grande esforço a quem gere a minha carreira para que procure uma alternativa.

 

- Por falar em Portugal, acompanha a Liga? Quem acha que será o campeão?

 

- Sempre que posso dou uma espreitadela aos jogos. Como disse em relação ao Lille e ao Lyon, para o Sporting ser campeão tem de ser este ano. Tem margem de manobra para conquistar o título, está a fazer uma excelente época e a continuar assim será campeão com todo o mérito. Mas já vimos clubes como FC Porto e Benfica perderem vantagens de sete pontos, não é o caso do Sporting, que tem nove [a entrevista foi feita antes do Sporting-Santa Clara de ontem], mas se continuar neste registo será um justo campeão.

 

- Foi 50 vezes internacional nas camadas jovens de Portugal e uma vez nos seniores (em 2018). Voltar a representar o país é um objetivo?
 

- Claro que sim. É o objetivo de qualquer jogador e eu não fujo à regra. Quero voltar a vestir a camisola de Portugal e vou continuar a trabalhar para isso. Tenho de ser titular no meu clube, jogar bem, e mesmo assim não depende só de mim. Depende do selecionador e do que procura para o sistema que utiliza. No Montpellier jogamos com três centrais e isso pode não ajudar, já que a Seleção utiliza apenas dois. Depende de outras coisas que não são da minha responsabilidade. Vou fazer tudo o que esteja ao meu alcance, depois logo se verá.
 

Leia a entrevista completa na edição impressa ou digital de A BOLA.

Ler Mais
Comentários (16)

Últimas Notícias