Mundiais deixam UCI sob pressão

Ciclismo 02-07-2020 08:53
Por Fernando Emílio

A contestação por parte dos corredores, equipas e federações nacionais, à realização do contrarrelógio de elites logo no primeiro dia do Campeonato do Mundo está a criar pressão crescente para a União Ciclista Internacional (UCI). Sem vontade de fazer alterações ao programa e empenhada em manter a prova no dia em que termina a Volta à França, a UCI assume que o contrarrelógio de elites ficará privado de algumas das principais figuras.


Devido ao fiasco do ano passado no contrarrelógio misto, onde a igualdade de género não funcionou porque não teve o protagonismo desejado, a UCI decidiu transferir a prova (ganha pela Holanda em 2019) para quarta-feira, antecipando o de elites para domingo.
Para não voltar atrás com a decisão, o presidente da UCI, David Lappartient, está a tentar encontrar uma solução para que os corredores que eventualmente abandonem a Volta à França possam competir nesse dia. Diz o artigo 2.6.026 que «um corredor que desista não pode competir noutras competições de ciclismo durante o evento, sob pena de ser suspenso por 15 dias e multado de 200 a 1.000 francos suíços». Contudo, diz também o regulamento «podem ser concedidas exceções pela UCI, a pedido do corredor de acordo com o seu diretor desportivo, depois de consultada a organização da corrida e o presidente do colégio de comissários».

 

Segundo A BOLA conseguiu apurar, a UCI vai solicitar uma reunião com a ASO, que organiza o Tour, para tentar um entendimento que permita aplicar o segundo parágrafo dos regulamentos.

 

De referir que na véspera do contrarrelógio dos mundiais se realiza o contrarrelógio no Tour entre Lure e La Planche Des Belles Filles, com 36 km, em que os últimos 8 km apresentam uma inclinação média de 8,5 por cento. Colocado perante esta situação, Nelson Oliveira mostra-se desiludido: «Estou desapontado porque não existe bom senso. Quem quiser correr o contrarrelógio no domingo tem de desistir na quarta-feira. Além da viagem, é necessário realizar dois ou três treinos de recuperação ativa e reconhecer o percurso. A alternativa que estão a equacionar não tem viabilidade, a solução é mudarem o contrarrelógio para o meio da semana. Só assim poderão competir os melhores. A equipa decidirá, mas não acredito que me deixem desistir, trata-se de uma situação delicada para ambas as partes», declarou ao nosso jornal o corredor da Movistar. Entre os possíveis ausentes encontram-se Tony Martin campeão do mundo em 2011, 2012, 2013 e 2016, Tom Dumoulin campeão em 2018, Primoz Roglic segundo em 2017 e Chris Froome terceiro no mesmo ano. 
 

Ler Mais

A PAIXÃO CONTINUA EM CASA


O momento particular que vivemos determina a permanência das pessoas em casa além do fecho de todas as lojas comerciais alterando dramaticamente os hábitos das pessoas no que toca à leitura e ao acesso à informação.

Neste momento de grandes dificuldades para todos, estamos a trabalhar a 100% para continuar a fazer-lhe companhia todos os dias com o seu jornal A Bola , o site ABOLA.pt e no canal A Bola Tv.

Mas este trabalho só vale a pena se chegar aos seus clientes de sempre sem os quais não faz sentido nem é economicamente sustentável.

Para tanto precisamos que esteja connosco, que nos faça companhia, assinando a versão digital de A Bola e aproveitando a nossa campanha de assinaturas.

ASSINE JÁ

Comentários (0)

Últimas Notícias

Mundos