Neil e Maguire na tacada de saída do Tour Championship

Snooker 19-06-2020 19:05
Por António Barroso

O australiano Neil Robertson, de 38 anos, segundo do ranking mundial (e campeão mundial em 2010) e o escocês Stephen Maguire, de 39 anos, 14.º da hierarquia, dão na tarde de sábado, dia 20 do corrente mês, a tacada de saída do Tour Championship, penúltima prova da época 2019/2020 da World Snooker Tour, que irá decorrer até sexta-feira, dia 26 do corrente mês, na Marshal Arena, em Milton Keynes (Inglaterra), ainda e sempre à porta fechada, como sucedeu com a Championship League, torneio disputado no mesmo palco de 1 a 11 do corrente e ganho pelo belga Luca Brecel.

 

O Tour Championship é reservado aos oito melhores do ranking a um ano (o normal tem por base os ganhos financeiros das últimas duas temporadas, e não apenas de uma) e é última prova das Coral Series, com prémios de £380 mil (€422.278) para os oito profissionais, das quais £150 mil (€166.689) ao vencedor do torneio, que se inicia logo com os quartos de final, e decorrerá ao ritmo de um jogo por dia até dia 26 do corrente mês.

 

Além do prémio para o vencedor desta prova de ‘ranking’, há em jogo um possível bónus de £100 mil (€111.126) para o profissional que mais dinheiro amealhar nas três provas Coral Series da época (com World Grand Prix e Players Championship, já disputados): Judd Trump lidera a corrida, à frente do número dois mundial, Neil Robertson, também é candidato ao chorudo bónus… em caso de vitória.

 

O vencedor do embate entre Neil e Stephen – em 27 jogos até à data, 10 triunfos de Robertson e… 17 de Maguire - já sabe que irá encontrar na primeira meia-final, quarta-feira, o triunfador do embate entre o campeão mundial (2019) e número um, o inglês Judd Trump, de 30 anos, e o escocês John Higgins, de 44 anos, quarto da hierarquia e tetracampeão mundial (1998, 2007, 2009 e 2011), que se vão defrontar domingo, dia 21 do corrente mês (jogos em duas sessões, às 13.30 e 19 horas).

 

Os quartos completam-se com o inglês Mark Selby, de 37 anos, tricampeão mundial (2014, 2016 e 2017) e sétimo da hierarquia, a defrontar o chinês Yan Bingtao, de 20 anos, 16.º da hierarquia, na segunda-feira, dia 22 do corrente mês, e com o campeão mundial de 2005, o inglês Shaun Murphy, de 37 anos, nono do ranking, a medir forças com o norte-irlandês Mark Allen, de 34 anos, quinto da hierarquia, na terça-feira, dia 23. Os vencedores encontram-se na segunda meia-final, na quinta-feira, dia 25 do corrente mês.

 

Quartos de final e meias do Tour Championship são jogados à melhor de 17 possíveis frames: até um vencer nove (de 9-0 a possíveis 9-8). A final, dia 26 do corrente mês, será jogada à melhor de 19: até um vencer dez (10-0 a possíveis 10-9).

 

O snooker lamenta ainda a morte, no dia 16 do corrente mês, após duro combate com a leucemia, do inglês Willie Thorne – vencedor do Classic de 1985 e antigo número 7 mundial, nos últimos anos distinto comentador televisivo da modalidade, na BBC - aos 66 anos.

 

A marcar a atualidade, ainda o anúncio de Marco Fu (Hong Kong) de declinar o Mundial, com fase final agendada para de 31 de julho a 16 de agosto no Crucible Theatre, em Sheffield (Inglaterra) igualmente à porta fechada, por «razões de segurança devido à pandemia» do Covid-19.

 

Uma baixa que se junta à desistência do chinês Ding Junhui em jogar este Tour Championship, onde o campeão de 2019, o inglês Ronnie O’Sullivan, não conseguiu lugar (após uma época em que só venceu uma prova e não de ranking, o Xangai Masters): foi substituído pelo nono da hierarquia a um ano, o escocês Stephen Maguire, rival de Neil Robertson no jogo de saída dos sete do Tour Championship, sábado.

 

Na China, Ding Junhui declinou também, devido à pandemia, viajar da Ásia até ao Reino Unido, pelos riscos envolvidos na viagem: a segurança pessoal face ao Covid-19 falou mais alto para o asiático.

 

Refira-se que a World Snooker Tour anunciou que as qualificações para o Campeonato do Mundo – onde apenas os 16 melhores da hierarquia tem vaga assegurada, com 16 lugares ainda em aberto – vão decorrer de 21 a 28 de julho do corrente ano, no English Institute of Sport, também em Sheffield (Inglaterra). O torneio distribui £2.235 milhões (€2,661 milhões) em prémios, das quais £500 mil (€555.630) ao campeão, com Judd Trump a defender o título conquistado em 2019.

 

Os profissionais colocados entre o 17.º e o 128.º lugar da hierarquia, mais 16 outros jogadores convidados, num total de 128 competidores, vão jogar quatro rondas para apurar os 16 que vão, também, estar no Crucible.

 

As três primeiras eliminatórias de qualificação para o Mundial serão jogadas à melhor de 11 possíveis parciais, até um vencer seis (de 6-0 a possíveis 6-5), de 21 a 28 de julho do corrente ano, enquanto a ronda final, o ‘Judgement Day’, se cumprirá a 27 e 28 desse mesmo mês de julho do corrente, já com encontros à melhor de 19 possíveis partidas: só têm lugar no Crucible o primeiro a vencer dez frames (de 10-0 a possíveis 10-9).

 

As qualificações do Mundial serão, como a Fase final, transmitidas em direto para Portugal (EuroSport), ao contrário do Tour Championship, penúltima prova da temporada, já a partir de sábado, dia 20 do corrente mês, apenas com transmissão televisiva no Reino Unido (ITV4).

 

Quartos de final do Tour Championship (hora local e portuguesa):

Neil Robertson-Stephen Maguire (sábado, 13.30 e 19 horas)

Judd Trump-John Higgins (domingo, 13.30 e 19 horas)

Mark Selby-Yan Bingtao (2.ª feira, 13.30 e 19 horas)

Shaun Murphy-Mark Allen (3.ª feira, 13.30 e 19 horas)

Ler Mais

A PAIXÃO CONTINUA EM CASA


O momento particular que vivemos determina a permanência das pessoas em casa além do fecho de todas as lojas comerciais alterando dramaticamente os hábitos das pessoas no que toca à leitura e ao acesso à informação.

Neste momento de grandes dificuldades para todos, estamos a trabalhar a 100% para continuar a fazer-lhe companhia todos os dias com o seu jornal A Bola , o site ABOLA.pt e no canal A Bola Tv.

Mas este trabalho só vale a pena se chegar aos seus clientes de sempre sem os quais não faz sentido nem é economicamente sustentável.

Para tanto precisamos que esteja connosco, que nos faça companhia, assinando a versão digital de A Bola e aproveitando a nossa campanha de assinaturas.

ASSINE JÁ

Comentários (0)

Últimas Notícias