UCI ajuda Volta a Portugal

Ciclismo 12-06-2020 10:39
Por Fernando Emílio

Enquanto o regresso do ciclismo de competição deverá ser autorizado a partir de 1 de julho, mantém-se a incerteza para a realização da Volta a Portugal, que aguarda por autorização governamental. O tempo útil para colocar a corrida na estrada entre 29 de julho e 9 de agosto, como está previsto, torna-se cada vez mais curto e com margem de manobra bastante limitada, admitindo-se como provável o adiamento por duas ou três semanas, conforme já avançou A BOLA.

 

O aspeto financeiro irá ser levado em conta pela organização, que procura fazer face ao rombo provocado na tesouraria pela não realização da feira de animação e das atividades satélite na parte desportiva - onde se inclui o concerto na véspera do dia de descanso e a popular etapa da Volta. A tudo isto juntam-se as normas sanitárias, a serem implantadas de acordo com a Direção Geral de Saúde e da UCI, com custos ainda desconhecidos.

 

Existe, no entanto, a possibilidade de a organização reduzir as despesas e aproveitar os regulamentos entretanto aprovados pela UCI, como por exemplo o fim de limite mínimo de equipas estrangeiras. Devido às condições criadas pela Covid-19, a UCI suspendeu até final da temporada o artigo 2.1.003, que obriga uma prova do calendário internacional a ter o mínimo 10 equipas, entre as quais 5 estrangeiras, pelo que as organizações podem ter menos equipas de outros países e aliviar o investimento. Além do artigo anterior, a Podium Events pode aplicar o artigo 2.2.007,  que diz: «Se quinze dias antes do evento, o número de participantes inscritos for inferior a 100 corredores, o organizador pode autorizar as equipas inscritas a aumentar o número de corredores de cada equipa para o máximo de 8». Em termos práticos, um pelotão formado por 14 equipas de sete corredores, que soma 98, poderá ser aumentado com mais um corredor por equipa totalizando 112 unidades.

 

Numa medida de sensibilização e face à situação atual, a UCI decidiu devolver as taxas de inscrições de todas as provas canceladas até ao dia 30 de junho, entre as quais se incluem a Clássica da Arrábida, Volta ao Alentejo e GP Beiras e Serra da Estrela. As devoluções previstas incluem além da taxa de inscrição, as despesas de viagem, alimentação e alojamento dos comissários internacionais nomeados. Em virtude de Portugal pertencer ao Grupo 2, os organizadores apenas pagam 70% dos valores da tabela principal. A Clássica da Arrábida (1.2), pagou €1.057, Volta ao Alentejo (2.2), €2.527 e o GP Beiras e Serra da Estrela (2.1), €3.045. 
 

Ler Mais

A PAIXÃO CONTINUA EM CASA


O momento particular que vivemos determina a permanência das pessoas em casa além do fecho de todas as lojas comerciais alterando dramaticamente os hábitos das pessoas no que toca à leitura e ao acesso à informação.

Neste momento de grandes dificuldades para todos, estamos a trabalhar a 100% para continuar a fazer-lhe companhia todos os dias com o seu jornal A Bola , o site ABOLA.pt e no canal A Bola Tv.

Mas este trabalho só vale a pena se chegar aos seus clientes de sempre sem os quais não faz sentido nem é economicamente sustentável.

Para tanto precisamos que esteja connosco, que nos faça companhia, assinando a versão digital de A Bola e aproveitando a nossa campanha de assinaturas.

ASSINE JÁ

Comentários (0)

Últimas Notícias

Mundos