País sobe 19 lugares no índice da Transparência Internacional

Angola 23-01-2020 20:44
Por Lusa

Angola subiu 19 posições e melhorou a pontuação no Índice de Perceção da Corrupção (IPC) da Transparência Internacional (TI), segundo a edição de 2019, divulgada esta quinta-feira, em Berlim (Alemanha), que destaca as «melhorias significativas» registadas pelo país.

 

A avaliação anual promovida pela TI, com sede em Berlim, assinala que Angola conquistou mais sete pontos do que na edição de 2018, tendo agora 26.

 

Esta conquista de pontos, numa escala em que zero corresponde a países com altos níveis de perceção da corrupção e 100 a países livres de corrupção, catapultou o país da 165.ª para 146.ª posição.

 

Angola melhora, assim, pelo segundo ano consecutivo, a sua avaliação em matéria de perceção da corrupção, depois de, em 2018, ter subido dois lugares, passando do 167.º para o 165.º, com uma pontuação de 19.

 

Classificando como «significativos» os progressos conseguidos, o relatório assinala, no entanto, que dado o seu baixo nível geral de pontuação, o país se mantém abaixo da média global (43 pontos) dos 180 países analisados.

 

O relatório, que coloca Angola entre os países a monitorizar, assinala as reformas introduzidas pelo Governo, liderado por João Lourenço, para combater a corrupção após a mudança de eleitoral de 2017.

 

«Dados os recentes escândalos, espera-se que a corrupção seja o tema dominante nos debates eleitorais para as eleições locais de 2020», aponta o documento.

 

A avaliação do TI surge quando a atualidade mediática continua a ser marcada pelas revelações da investigação do Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação (ICIJ), conhecida como ‘Luanda Leaks’, que detalham esquemas financeiros da empresária e filha do ex-Presidente de Angola, Isabel dos Santos, e do marido, que terão permitido retirar milhões do erário público angolano, utilizando paraísos fiscais.

 

O relatório recorda que Isabel dos Santos foi afastada pelo Presidente João Lourenço da presidência da empresa pública de petróleos, Sonangol, e que em dezembro, na sequência das investigações a suspeitas de corrupção, um tribunal angolano ordenou o arresto dos bens da empresária angolana.

 

A TI adianta que o país conseguiu recuperar cinco mil milhões de dólares em bens públicos roubados, mas sustenta que é «preciso fazer mais para fortalecer a integridade e promover a transparência na contabilização das receitas do petróleo».

 

O IPC classifica 180 países e territórios pelos seus níveis percebidos de corrupção no setor público, atribuindo pontuações entre 0 (percecionado como muito corrupto) e 100 (percecionado como livre de corrupção).

Na edição deste ano, dois terços dos países e territórios tiveram pontuações abaixo de 50 pontos.

 

A média global é de 43 pontos, enquanto a África Subsaariana, onde se encontram os países africanos lusófonos, é a região com a pontuação média mais baixa (32 pontos).

 

O índice é liderado pela Dinamarca e Nova Zelândia, ambos com 87 pontos, e em último lugar surge a Somália, com 9 pontos.

Ler Mais

Últimas Notícias