«Weigl pode ser líder no Benfica»

Benfica 23-01-2021 15:55
Por Pedro Soares

Corria o segundo semestre de 2014 e Julian Weigl, então com 18 anos, já preparado para a segunda temporada na equipa principal do TSV 1860 Munique, na Bundesliga 2, foi, para surpresa de muita gente no clube, promovido a capitão de equipa. «Chamaram-me maluco», conta a A BOLA Ricardo Moniz. O treinador holandês, hoje com 56 anos, foi o responsável pela decisão naquele início de 2014/2015. Percebendo que Weigl não era apenas mais um.

 

«Fi-lo para dar-lhe mais responsabilidade e maturidade, porque, na minha opinião, naquela altura já era um grande jogador. Muita gente ficou surpreendida, claro, e ele cometeu erros, como é natural, mas, tal como agora, acreditava que iria ser um jogador de topo mundial, passo que, infelizmente, ainda não deu, não sei porquê», explicou o técnico, com nome bem português, justificado por raízes familiares lusas no Suriname, antiga colónia holandesa na costa nordeste da América do Sul.

 

Com Ricardo Moniz, Weigl jogava como número seis, mas com raio de ação mais alargado.

 

«Naquele tempo já era aquele tipo de jogador que só rendia quando jogava de forma consistente, com regularidade. Era um jogador dominante, muito presente no jogo, com fome de bola, um playmaker que marcava golos, que aparecia na área. Jogador top, claramente», recorda, descrevendo um Weigl que ainda não se viu na Luz, mas que, assegura, ainda vai a tempo de aparecer em todo o seu esplendor.

 

«Weigl tem qualidades para ser um líder em campo, mas é escolha que está nas mãos dele. Pode ser jogador completo com e sem bola, mas precisa de ter regularidade. É um desafio para ele e para o treinador do Benfica», considera Ricardo Moniz.

 

Leia o artigo completo na edição impressa ou digital de A BOLA

Ler Mais
Comentários (64)

Últimas Notícias

Mundos