«Há capacidade para o clube ser referência em quase tudo!»

Moçambique 21-07-2019 19:44
Por Rogério Azevedo

Osvaldo Edson Bendzane, 41 anos, natural de Chokwé (província de Gaza), licenciado em Direito pela Universidade Eduardo Mondlane e pós-graduado em Direito de Empresas pelo ISCTEM-Universidade Nova de Lisboa, é o principal candidato à presidência do Clube Ferroviário de Maputo, cujas eleições estão marcadas para o próximo sábado, 27 de julho. O atual presidente, Sancho Quipisso Júnior, não vai recandidatar-se por motivos profissionais.

 

Osvaldo Bendzane esteve em Portugal nos últimos dias e confessou-nos que decidiu avançar com uma lista, «a partir do momento em que foi aventada a possibilidade de ser eleita uma comissão de gestão para o Ferroviário». Ficou preocupado e construiu uma lista para ganhar, «sempre e só se Sancho Quipisso Júnior não se recandidatasse.»

 

O candidato já fez parte de anteriores direções do clube e considera que agora «o mais importante é fazer perceber aos sócios do Ferroviário que se pretende uma mudança radical na forma de olhar o desporto, inovando, modernizando e aperfeiçoando em todas as áreas, porque há capacidade para o clube ser referência em quase tudo.»

 

Osvaldo Bendzane teve oportunidade, nesta sua passagem pela Europa, de se reunir com diversos representantes dos moçambicanos na diáspora, os quais, segundo o candidato, lhe manifestaram «apoio incondicional», pedindo ainda a construção de uma casa do Ferroviário para a Europa com sede em Lisboa.

 

«Temos pré-acordos com potenciais parceiros para a área da formação e fornecimento de equipamento, um deles para a equipa sénior e outro para o basquetebol, bem como para todos os escalões das outras modalidades», acrescentou Bendzane.

 

O candidato, ainda na conversa com A BOLA, quis descansar os sócios: «Somos pela inclusão e queremos servir o clube e não ser servidos. Colocaremos sangue novo na direção e nas equipas principais do Ferroviário. Levaremos as coisas boas do passado e vamos reinventar-nos para o sucesso futuro. Queremos ganhar hoje em todas as competições, mas preparando as equipas para o futuro para alimentarem todos os escalões, criando, por exemplo, um modelo de jogo semelhante em todos os escalões.»

 

Quando questionado por A BOLA sobre a possibilidade de aparecerem mais candidatos e, eventualmente, não vencer as eleições, Osvaldo Bendzane foi taxativo: «A pluralidade de candidatos demonstrará a importância e o interesse do nosso clube. Se assim acontecer, saem a ganhar os sócios e o Ferroviário. Porém, se for outra a lista vencedora, vamos partilhar tudo o que fizemos.»

O FUTURO COM O NOSSO PASSADO


Porque A BOLA não quer que o jornalismo deixe de ser o jornalismo de qualidade que se faz da grande história, da investigação e da grande reportagem – nós temos esse jornalismo (o jornalismo que fez com que se falasse de A BOLA como a Bíblia) para lhe continuar a dar.

Porque A BOLA não quer que o jornalismo deixe de ser o jornalismo do texto criativo e sedutor e da opinião acutilante que não se faz de cócoras ou de mão estendida – nós temos esse jornalismo para lhe continuar a dar…

… e para nos ajudar a manter e a melhorar esse jornalismo sério e independente com o timbre de A BOLA,

Junte-se a nós nesse novo desafio ao futuro, tornando-se nosso assinante.

ASSINE AQUI

A Edição Digital de A Bola

Ler Mais

Últimas Notícias

Mundos