Recriar a cultura desportiva (artigo de Manuel Sérgio, 226)

Espaço Universidade 22-01-2018 20:23
Por Manuel Sérgio
Se hoje pensamos nos valores do Futuro, isto significa que, para nós, começaram a envelhecer muitos dos valores do Passado e até do Presente. Com singular altivez, o Ocidente julgou imutáveis os seus conceitos de Verdade, de Bem e de Belo. “Moral só existe uma, como só existe uma geometria”, proclamava o iluminista Voltaire (1694-1778). A problemática dos valores resumia-se a pouco, para os europeus, nomeadamente os ocidentais: através de Jesus Cristo, Deus revelara-nos esses valores, só nos restava concretizá-los na vida, para nosso bem e glória de Deus. Se bem penso, não me arrogo de qualquer novidade: com o Racionalismo, o Empirismo, o Protestantismo, a Revolução Francesa e o nascimento do Capitalismo, o homem ocidental protagonizou uma radical mudança de paradigma, reivindicando para o Homem muito do que se pensava ser atributo de Deus e gerando assim um pujante antropocentrismo. Os “fundamentos” passaram a ser outros.

“Friedrich Nietzsche é o pensador que coloca, com a máxima radicalidade, a questão da desaparição do fundamento, através da tematização da morte de Deus. Mas, proveniente de muitos outros lados, torna-se uma questão pública o desaparecimento dos fundamentos em que assentavam todos os valores” (José A. Bragança de Miranda, Analítica da actualidade, Colecção Vega Universidade, Lisboa, 1994, p.71). Os filósofos do Iluminismo ainda dispunham da possibilidade de acreditarem numa “natureza humana”, que se mantinha inamovível, inalterável, para além dos condicionalismos de tempo, espaço e tradições. Mas a aventura humana (que é sempre inseparável do risco) atingiu, hoje, um ponto em que os valores não nos chegam abonados por qualquer preceito divino, ou pela investigação diurna e noturna de uma escola filosófica, mas pela responsabilidade (ou pelo capricho) dos mais desvairados individualismos.

Vivemos, assim, no entender de Max Weber, um “politeísmo de valores”, onde predomina o tradicional livre-arbítrio que não se emancipou da publicidade, da propaganda, da ideologia dominantes. Um livre-arbítrio, acrescente-se, que não frequentou Erasmo, Espinosa, Galileu, Kant, Voltaire, Hegel, Marx, etc. Eportanto onde o Poder condiciona e manipula o Saber, pois que a ideologia dominante é o Poder que a fomenta e propaga, com muita retórica e muita demagogia à mistura. As contínuas críticas à arbitragem têm uma “razão suficiente” (recordo, aqui, o “princípio da razão suficiente”): tudo, em democracia, deverá criticar-se, como sinal de liberdade que gera desenvolvimento e progresso. O que não significa que a crítica em questão, sendo razoável, tenha uma ponta de razão, dado que, frequentemente, se destina a esconder os erros de dirigentes, técnicos e dos próprios jogadores. Com ciência e consciência, é nosso um futebol que pode ombrear com o que, nesta área, de melhor o mundo tem. Sem ciência e consciência, tomamos alarmada consciência de que o nosso futebol é mediano e chega a ser medíocre. Eu volto à Federação Portuguesa de Futebol. A elevada temperatura emocional que envolve e como se exprime o clubismo futebolístico português mostra-se incapaz de colher as lições de “espírito desportivo” que florescem na conduta irrepreensível do Dr. Fernando Gomes, o presidente da FPF e do engenheiro Fernando Santos, selecionador nacional de futebol (e da equipa técnica que o acompanha). Apraz-me salientar, também, o Dr. José Lourenço Pinto, presidente da Associação de Futebol do Porto e pessoa de um alevantado ideal de Justiça e portanto sempre a pleitear contra a mentira e a vaidade que são os objetivos primeiros de muita gente que invadiu o futebol português e nele, com prosápia, se instalou.

Segundo o Código de Ética Desportiva, do Plano Nacional de Ética no Desporto, o “espírito desportivo é respeitar códigos, regulamentos, honrar a palavra dada e os compromissos assumidos, recusar o recurso a quaisquer meios ou métodos, ainda que legais, no sentido de vencer ou tirar vantagem, bem assim como repudiar esses comportamentos ou atitudes, junto daqueles que prevariquem ou que influenciem terceiros, nesse sentido”. Portanto, o desportista (o verdadeiro desportista) é um homem que está na ética, como o homem (no entendimento de Espinosa) está em Deus. Recordo, com alegria, a leitura que fiz, em finais da década de 70, do Nascimento da Clínica de Michel Foucault, onde aprendi que a Medicina, a partir dos últimos anos do século XVIII, se constituiu como uma ciência objetiva do corpo – que só pela fisiologia se estudava! Entendi, então, a razão por que a Educação Física nasceu também no século XVIII. E, quando em 1983 visitei o Brasil, pela primeira vez, a convite do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte, foi com o tema “O Racionalismo na Medicina e na Educação Física” que me apresentei, como orador, na sessão de abertura de um congresso. Onde, aliás, manifestei a minha convicção de que o dualismo antropológico racionalista era o reflexo do dualismo social rico-pobre, ou senhor-servo. Submersas num cartesiano fisiologismo, nem a Medicina, nem a Educação Física, podiam fazer suas, nesses recuados anos, as palavras de Espinosa, onde não cabiam o dualismo metafísico-ontológico do res cogitans-res extensa, ou o das Duas Cidades de Santo Agostinho. E, para um desporto cartesiano e positivista, os valores contavam pouco. As reivindicações científicas do desporto não ultrapassavam os limites do paradigma biomédico…

Ora, a investigação sobre atividades humanas concretas (como o desporto, por exemplo) levanta questões que são irresolúveis, na ausência de opções éticas e culturais que envolvem a complexidade humana. Portanto, qualquer resultado de uma investigação empírica, no âmbito do desporto, deve integrar hipóteses suplementares de natureza filosófica e epistemológica, para poder compreender-se. O que equivale a dizer que a cultura (ou incultura) de um treinador é fundamental na sua liderança em particular e na sua conduta em geral. De facto, de tanto julgar-se que medir é só quantificar têm muitos “agentes do futebol” uma aberta relutância em aceitar conclusões que não decorram de técnicas estatístico-matemáticas, como se, no conjunto das hipóteses auxiliares mobilizadas, todas as hipóteses não matematizáveis fossem sempre “coisas” irrelevantes. Quando comecei a falar, publicamente, da teoria da “motricidade humana”, os quadros de referência cultural de muitos dos que rejeitavam (e rejeitam) as minhas ideias pensavam (e pensam) a Educação Física na mais pétrea atitude fixista, com um espaço de saberes que ainda não ultrapassou, nem Descartes, nem Comte. Estavam (estão) perfeitamente conformados com o que o Passado lhes legou. De facto, o Passado é para respeitar-se, mas para ser (no todo, ou em parte) ultrapassado também. E, se não se ultrapassa o Passado, a ciência passa a religião; na resistência às teses adversárias, há mais agressividade, há mais dogmas, do que tolerância e conhecimento. Há, assim, necessidade de uma “revolução científica” nos programas dos cursos universitários de Desporto e nos cursos de treinadores. A resistência ao paradigma “motricidade humana” resulta mais da inércia de um “senso comum”, mascarado de científico, do que de estudo e investigação rigorosos…

E termino com António-Pedro de Vasconcelos, no seu livro O Futuro da Ficção (Fundação Francisco Manuel dos Santos, Lisboa, 2012): “Foi sempre a ficção que moldou as civilizações e lhes garantiu prestígio e eternidade, como foi a sua ausência ou o seu declínio que as deixou no esquecimento, ou as condenou à decadência; foi a capacidade de imaginação que o criadores tiveram para representar a realidade, sob a forma de palavras, de sons, ou de imagens, que fez a Atenas de Sófocles, Ésquilo e Eurípedes, a Florença dos Médici, a Roma de Miguel Ângelo e de Bernini, a Inglaterra de Marlowe e de Shakespeare, a Espanha de Cervantes e de Velásquez, a Versalhes de Molière, de Corneille e de Racine, a Viena de Mozart e de Beethoven, a França de Balzac, de Stendhal e de Victor Hugo, a Itália de Verdi e de Puccini, a Rússia de Pushkin e de Gogol, de Dostoiewski e de Tolstoi, a Hollywood de Chjaplin e de Capra, de Ford e de Howard Hawks. Sob a forma de romances e poemas, de pinturas e esculturas, da ópera, do teatro, ou dos filmes, foi sempre a ficção que moldou o imaginário dos homens e consagrou a memória das civilizações”. E assinala ainda este notável cineasta português e homem de invulgar erudição: “Daí, a minha interrogação: neste limiar do milénio, onde estão as ficções que irão despertar novamente os nossos sonhos e mobilizar as nossas energias? E de onde irão surgir” (p. 9). Nas novas formas de ficcionar a realidade, também estão muitos dos fatores científicos e culturais de progresso da prática desportiva. Mas, para serem atuais, é preciso recriá-los, é preciso submetê-los a uma sistemática interrogação e até a uma rigorosa interdisciplinaridade. Mas o senso comum de muita gente ainda não descobriu que construir, desconstruir e reconstruir é o princípio estruturante de qualquer paradigma. E não o 4x4x2, ou o 4x3x3, ou o 3x5x2, ou o 4x2x3x1, etc., etc.

Manuel Sérgio é professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana e Provedor para a Ética no Desporto
Ler Mais
16:10  -  14-01-2018
Carta Aberta ao Doutor António Damásio (artigo de Manuel Sérgio, 225)
16:37  -  06-01-2018
O Dr. Armando Rocha: - um amigo que não esqueço (artigo de Manuel Sérgio, 224)
14:54  -  31-12-2017
Mais cultura para 2018 (artigo de Manuel Sérgio, 223)
18:19  -  23-12-2017
Jesus nasceu (artigo de Manuel Sérgio, 222)
11:50  -  19-12-2017
Quem são os pobres? (artigo de Manuel Sérgio, 221)
14:09  -  11-12-2017
É preciso pensar o desporto (artigo de Manuel Sérgio, 220)
13:41  -  04-12-2017
«Somos amigos. Não há problemas!» (artigo de Manuel Sérgio, 219)
21:14  -  29-11-2017
De que saber é o método? (artigo de Manuel Sérgio, 218)
16:22  -  22-11-2017
Tarantini: o jogador-estudante (artigo de Manuel Sérgio, 217)
19:08  -  15-11-2017
O método hermenêutico no Desporto (artigo de Manuel Sérgio, 216)
16:36  -  05-11-2017
A `Ciência` do Futebol (artigo de Manuel Sérgio, 215)
00:30  -  31-10-2017
Ronaldo e Messi: dois santos laicos (artigo de Manuel Sérgio, 214)
10:49  -  24-10-2017
A crença gera biologia (artigo de Manuel Sérgio, 213)
11:11  -  18-10-2017
Artur Anselmo: Presidente da Academia das Ciências de Lisboa (artigo de Manuel Sérgio, 212)
12:25  -  09-10-2017
José Tolentino Mendonça (artigo de Manuel Sérgio, 211)
19:14  -  03-10-2017
Sérgio Oliveira: - uma lição! (artigo de Manuel Sérgio, 210)
16:35  -  26-09-2017
«Para um Desporto do Futuro» (artigo de Manuel Sérgio, 209)
13:54  -  18-09-2017
Jorge Jesus e o Sporting Clube de Portugal (artigo de Manuel Sérgio, 208)
16:19  -  10-09-2017
Este futebol será Desporto? (artigo de Manuel Sérgio, 207)
23:03  -  04-09-2017
Mais uma carta aberta ao José Mourinho (artigo de Manuel Sérgio, 206)
16:38  -  08-08-2017
Esta palavra “paradigma” (artigo de Manuel Sérgio, 205)
13:11  -  02-08-2017
A propósito do treino: uma aproximação ao existencialismo (artigo de Manuel Sérgio, 204)
13:39  -  25-07-2017
Jorge Carlos Fonseca: - literatura de descontinuidade (artigo de Manuel Sérgio, 203)
15:32  -  18-07-2017
O calcanhar de Aquiles (artigo de Manuel Sérgio, 202)
08:12  -  09-07-2017
Notas Críticas sobre os Bruxos do Futebol e outras coisas mais(artigo de Manuel Sérgio, 201)
15:03  -  03-07-2017
Traços fundamentais da cultura portuguesa (artigo de Manuel Sérgio, 200)
10:46  -  25-06-2017
A omnipresença do futebol (artigo de Manuel Sérgio, 199)
20:24  -  17-06-2017
Liderator: A Excelência no Desporto (artigo de Manuel Sérgio, 198)
23:26  -  12-06-2017
António Augusto da Silva Martins (artigo de Manuel Sérgio, 197)
14:11  -  05-06-2017
Voltaire (1694-1778) (artigo de Manuel Sérgio, 196)
12:53  -  30-05-2017
A Estrutura ou o Rui Vitória? (artigo de Manuel Sérgio, 195)
17:55  -  22-05-2017
Nuno Delgado: a coopetição (artigo de Manuel Sérgio, 194)
21:43  -  14-05-2017
Benfica: a Razão e a Fé (artigo de Manuel Sérgio 193)
16:18  -  09-05-2017
O Futebol tem Violência não é violento (artigo de Manuel Sérgio 192)
16:55  -  28-04-2017
A pós-verdade e… o futebol! (artigo de Manuel Sérgio, 191)
16:53  -  16-04-2017
“Violência e Futebol”: - um livro a reler (artigo de Manuel Sérgio, 190)
16:10  -  09-04-2017
De Platão até hoje… (artigo de Manuel Sérgio, 189)
15:57  -  02-04-2017
A Filosofia da Libertação e a alta competição desportiva (artigo de Manuel Sérgio, 188)
17:41  -  26-03-2017
Carta aberta ao Jorge Jesus (artigo de Manuel Sérgio, 187)
18:24  -  18-03-2017
É preciso fazer do Homem o futuro do Homem (artigo de Manuel Sérgio, 186)
17:22  -  05-03-2017
José Mourinho: espetáculo com eficácia (artigo de Manuel Sérgio, 185)
16:28  -  24-02-2017
Carlos Lopes: grande entre os grandes!(artigo de Manuel Sérgio, 184)
16:04  -  19-02-2017
«Tudo o que é excessivo é insignificante» (artigo de Manuel Sérgio, 183)
23:05  -  12-02-2017
Fernando Santos: Razão e Fé (artigo de Manuel Sérgio, 182)
12:34  -  08-02-2017
A Literacia Científica e a Compreensão do Futebol (artigo de Manuel Sérgio, 181)
16:18  -  31-01-2017
Aurélio Pereira: meu companheiro de jornada (artigo de Manuel Sérgio, 180)
14:42  -  26-01-2017
A Cidade do Futebol e o Dr. Fernando Gomes ((artigo de Manuel Sérgio, 179)
21:49  -  19-01-2017
Tudo é sistema (artigo de Manuel Sérgio, 178)
14:36  -  11-01-2017
O Desporto e o Homem Pós-Humano (artigo de Manuel Sérgio, 177)
15:12  -  05-01-2017
O futebol português de parabéns (artigo de Manuel Sérgio, 176)
19:06  -  30-12-2016
O corpo da mente e a mente do corpo (artigo de Manuel Sérgio, 175)
16:34  -  23-12-2016
Quando o amor era mais íntimo (artigo de Manuel Sérgio, 174)
20:38  -  12-12-2016
A Filosofia como fundamentação (artigo de Manuel Sérgio, 173)
16:28  -  01-12-2016
O Vítor Serpa e o José Peseiro, dois pós-modernos (artigo de Manuel Sérgio, 172)
18:49  -  25-11-2016
Para uma cultura desportiva (artigo de Manuel Sérgio, 171)
16:01  -  21-11-2016
A `epistemologia moral´ no Desporto (artigo de Manuel Sérgio, 170)
16:23  -  16-11-2016
O treinador Tuck e o Sacavenense (artigo de Manuel Sérgio, 169)
18:51  -  10-11-2016
Jorge Araújo: a paixão do saber (artigo de Manuel Sérgio, 168)
16:24  -  05-11-2016
Uma Coreografia de Pensamentos (artigo de Manuel Sérgio, 167)
16:07  -  25-10-2016
Ninguém ganha porque tem valor, tem valor porque ganha (artigo de Manuel Sérgio, 165)
11:38  -  30-09-2016
Filosofia do Desporto e Filosofia no Desporto (artigo de Manuel Sérgio, 162)
20:21  -  19-09-2016
97 anos de vida (artigo de Manuel Sérgio)
17:45  -  12-09-2016
Europa, Europa: a filosofia em teatro (artigo de Manuel Sérgio, 161)
20:26  -  08-09-2016
Jorge Jesus na idade da sofística (artigo de Manuel Sérgio, 160)
19:59  -  25-08-2016
O Desporto faz mal à saúde? (artigo de Manuel Sérgio, 158)
13:28  -  17-08-2016
O Desporto: intencionalidade e âmbito (artigo de Manuel Sérgio, 157)
15:32  -  05-08-2016
Mário Moniz Pereira: puramente desportista! (artigo de Manuel Sérgio, 155)
22:50  -  31-07-2016
Mário Moniz Pereira: o artista-treinador!
21:33  -  30-07-2016
Henrique Calisto e o livro do seu desassossego (artigo de Manuel Sérgio, 154)
19:27  -  25-07-2016
“Outro lado das coisas”: um livro de José Antunes de Sousa (artigo de Manuel Sérgio, 153)
18:45  -  21-07-2016
Hóquei em Patins: campeões europeus! (artigo de Manuel Sérgio, 152)
16:07  -  15-07-2016
Naturalmente religioso (artigo de Manuel Sérgio, 151)
16:05  -  11-07-2016
Viva Portugal! (artigo de Manuel Sérgio, 150)
19:57  -  01-07-2016
Quando as dificuldades são possibilidades (artigo de Manuel Sérgio, 149)
15:42  -  26-06-2016
Portugal-Croácia: - uma vitória inesquecível! (artigo de Manuel Sérgio, 148)
21:23  -  22-06-2016
Um sistema é relação (artigo de Manuel Sérgio, 147)
17:06  -  16-06-2016
A propósito do Euro-2016 (artigo de Manuel Sérgio, 146)
19:27  -  09-06-2016
Celebrar Portugal, através do futebol (artigo de Manuel Sérgio, 145)
17:44  -  05-06-2016
Para um novo comentador desportivo (artigo de Manuel Sérgio, 144)
17:33  -  22-05-2016
Carta Aberta a Luís Filipe Vieira (artigo de Manuel Sérgio, 142)
16:35  -  09-05-2016
Mais uma idade da sofística? (artigo de Manuel Sérgio, 140)
17:48  -  03-05-2016
Carta Aberta ao Dr. Rui Gomes da Silva (artigo de Manuel Sérgio, 139)
17:24  -  25-04-2016
“O Homem Que Não Tinha Idade”: um romance de Fernando Correia (artigo de Manuel Sérgio, 138)
19:42  -  19-04-2016
Pinto da Costa num tempo adverso (artigo de Manuel Sérgio, 137)
17:01  -  13-04-2016
O Desporto como Ciência e como Filosofia (artigo de Manuel Sérgio, 136)
19:28  -  07-04-2016
Mário Moniz Pereira - o poeta do desporto! (artigo de Manuel Sérgio, 135)
15:33  -  01-04-2016
O Desporto: uma indústria de milhões! (artigo de Manuel Sérgio, 134)
16:04  -  29-03-2016
É preciso passar da religião à fé (artigo de Manuel Sérgio, 133)
17:09  -  15-03-2016
Os 35 anos do `JL´ (artigo de Manuel Sérgio, 131)
17:30  -  10-03-2016
Carta Aberta ao Rui Vitória (artigo de Manuel Sérgio, 130)
18:14  -  07-03-2016
Carta Aberta ao Lindelof (artigo de Manuel Sérgio, 129)
22:25  -  27-02-2016
Ilya Prigogine ou as potencialidades da matéria (artigo de Manuel Sérgio, 128)
21:01  -  21-02-2016
Alguns ligeiros pensamentos sobre o futebol (artigo de Manuel Sérgio, 127)
23:18  -  14-02-2016
Benfica–Porto: não há rendimento sem eficácia (artigo de Manuel Sérgio, 126)
17:01  -  08-02-2016
Gaston Bachelard: o novo espírito científico (artigo de Manuel Sérgio, 125)
17:00  -  01-02-2016
O especialista e o leigo, em futebol (artigo de Manuel Sérgio, 124)
23:27  -  25-01-2016
Desporto e Humanismo Contemporâneo (artigo de Manuel Sérgio, 123)
20:01  -  04-01-2016
O Mito e a Alta Competição Desportiva (artigo de Manuel Sérgio, 120)
20:42  -  28-12-2015
A propósito de Paulo Freire e Blondel e Sartre (artigo de Manuel Sérgio, 119)
16:32  -  20-12-2015
Quando uma criança nasce… (artigo de Manuel Sérgio, 118)
16:53  -  16-12-2015
Fernando Medina ou o processo da decisão política (artigo de Manuel Sérgio, 117)
16:59  -  09-12-2015
Há uma comunidade científica no desporto português? (artigo de Manuel Sérgio, 116)
16:44  -  29-11-2015
Sem poesia, não há ciência (artigo de Manuel Sérgio, 115)
16:46  -  23-11-2015
A crise da esperança (artigo de Manuel Sérgio, 114)
16:39  -  15-11-2015
Lutaremos, meu Amor (artigo de Manuel Sérgio, 113)
23:44  -  08-11-2015
Jogar com os afetos (artigo de Manuel Sérgio, 112)
19:27  -  02-11-2015
Luís Filipe Vieira: ou um Benfica que enternece e cativa (artigo de Manuel Sérgio, 111)
16:24  -  26-10-2015
O último Benfica-Sporting e o novo campeão nacional (artigo de Manuel Sérgio, 110)
17:14  -  20-10-2015
A coisa mais importante das coisas pouco importantes (artigo de Manuel Sérgio, 109)
15:42  -  13-10-2015
Desporto e Humanismo ou o valor da transcendência (artigo de Manuel Sérgio, 108)
16:25  -  06-10-2015
Os treinadores portugueses no futebol internacional (artigo de Manuel Sérgio, 107)
23:13  -  29-09-2015
João Paulo S. Medina: - o “intelectual” do futebol brasileiro (artigo de Manuel Sérgio, 106)
00:04  -  23-09-2015
O último Porto-Benfica ou da biologia à cultura (artigo de Manuel Sérgio, 105)
18:11  -  15-09-2015
“Quem somos nós?” - a resposta do Desporto (artigo de Manuel Sérgio, 104)
18:20  -  08-09-2015
Joel Rocha – o “Mourinho” do futsal (artigo de Manuel Sérgio, 103)
18:35  -  02-09-2015
A História de Sísifo (artigo de Manuel Sérgio, 102)
17:34  -  28-08-2015
O mais relevante nem sempre é o mais mensurável (artigo de Manuel Sérgio, 101)
17:55  -  14-08-2015
Jorge Jesus: - o sublime iletrado! (artigo de Manuel Sérgio, 99)
18:54  -  07-08-2015
O que em mim sente está pensando (artigo de Manuel Sérgio, 98)
16:55  -  31-07-2015
A Cultura do Clube (artigo de Manuel Sérgio, 97)
21:45  -  21-07-2015
Do Jogo ao Desporto em Bourdieu e... não só (artigo de Manuel Sérgio, 96)
23:57  -  16-07-2015
Carta a Eugénio Lisboa (artigo de Manuel Sérgio, 95)
00:32  -  10-07-2015
António Simões: - o irmão branco do Eusébio (artigo de Manuel Sérgio, 94)
17:31  -  04-07-2015
Jorge Jesus ou a homeostasia organizacional (artigo de Manuel Sérgio, 93)
23:50  -  15-06-2015
No Benfica: estrutura ou carisma? (artigo de Manuel Sérgio, 90)
22:37  -  10-06-2015
Feyerabend e Ricardo Serrado no estudo de Lionel Messi (artigo de Manuel Sérgio, 89)
22:50  -  26-05-2015
Mais importante do que ter sucesso é ter valor! (artigo de Manuel Sérgio, 86)
00:30  -  23-05-2015
José Mourinho ou as razões da sua diferença (artigo de Manuel Sérgio, 85)
16:42  -  18-05-2015
É preciso, imperioso e urgente a continuação de J.J., no Benfica (artigo de Manuel Sérgio, 84)
18:16  -  10-05-2015
Roberto Carneiro: retrato de um ministro que eu conheci (artigo de Manuel Sérgio, 83)
16:30  -  01-05-2015
O empréstimo de jogadores é compatível com a ética? (artigo de Manuel Sérgio, 82)
16:54  -  20-04-2015
José Mourinho: por que será?... (artigo de Manuel Sérgio, 81)
17:17  -  14-04-2015
O Progresso Desportivo: - o que é isso? (artigo de Manuel Sérgio, 80)
19:15  -  07-04-2015
Mourinho escreve prefácio de livro de Manuel Sérgio, «O Futebol e Eu»
23:31  -  06-04-2015
O jornal “ A Bola” - desporto e humanismo (artigo de Manuel Sérgio, 79)
22:47  -  01-04-2015
Jorge Carlos Fonseca: o Presidente da República que é poeta (artigo de Manuel Sérgio, 78)
21:47  -  25-03-2015
Qual o fundamento radical na arbitragem? (artigo de Manuel Sérgio, 77)
16:34  -  21-03-2015
A Gestão do Desporto, segundo Gustavo Pires (artigo de Manuel Sérgio, 76)
16:40  -  13-03-2015
O Futebol é Anamnese... mesmo com Luís Figo? (artigo de Manuel Sérgio, 75)
17:47  -  07-03-2015
Ao Povo-Irmão de Cabo Verde (artigo de Manuel Sérgio, 74)
21:14  -  19-02-2015
“Cândido de Oliveira” - um livro inesquecível de Homero Serpa (artigo de Manuel Sérgio, 73)
21:10  -  12-02-2015
Só com os mesmos valores o diálogo é possível (artigo de Manuel Sérgio, 72)
17:04  -  08-02-2015
O modelo racionalista do jornal A Bola (artigo de Manuel Sérgio, 71)
16:32  -  01-02-2015
“A Bola”: uma práxis que é preciso manter (artigo de Manuel Sérgio, 70)
19:14  -  28-01-2015
Manuel Alegre: - um semeador de poesia (artigo de Manuel Sérgio, 69)
18:29  -  22-01-2015
Libertar o Direito e o Desporto ou um ensaio do Prof. Paulo Cunha (artigo de Manuel Sérgio, 68)
16:24  -  18-01-2015
A desparasitação do futebol ou a dupla Pinto da Costa-Pedroto (artigo de Manuel Sérgio, 67)
18:18  -  15-01-2015
O Desporto tem violência: - não é violento! (artigo de Manuel Sérgio, artigo 66)
17:57  -  10-01-2015
A “Arte da Guerra” no treinador Rui Vitória (artigo de Manuel Sérgio, 65)
00:17  -  07-01-2015
José Maria Pedroto: o conhecimento... (artigo de Manuel Sérgio, 64)
23:31  -  31-12-2014
Feliz Ano Novo ao Desporto Português (artigo de Manuel Sérgio, 63)
17:32  -  24-12-2014
A grande revolução de Jesus na Vida e... no Desporto! (artigo de Manuel Sérgio, 62)
17:53  -  20-12-2014
História e Filosofia das Ciências, no Desporto e... no Benfica! (artigo de Manuel Sérgio, 61)
22:56  -  17-12-2014
Uma resposta breve a Miguel Cardoso Pereira (artigo de Manuel Sérgio, 60)
18:57  -  11-12-2014
Desporto e Desenvolvimento ou um livro de Gustavo Pires (artigo de Manuel Sérgio, 59)
18:36  -  04-12-2014
Nossos contemporâneos (artigo de Manuel Sérgio, 58)
18:19  -  27-11-2014
Da Desconfiança à Solidariedade em Pinto da Costa e Filipe Vieira (artigo de Manuel Sérgio, 57)
23:19  -  20-11-2014
As incertezas da ciência (artigo de Manuel Sérgio, 56)
16:18  -  16-11-2014
O engenheiro Fernando Santos: - o mesmo e o diferente (artigo de Manuel Sérgio, 55)
18:39  -  11-11-2014
Ou interdisciplinaridade ou ignorância (artigo de Manuel Sérgio, 54)
10:25  -  08-11-2014
Carta Aberta ao Presidente da República de Cabo Verde (artigo de Manuel Sérgio, 53)
17:43  -  30-10-2014
Rui Jorge: e o treinador do Futuro (artigo de Manuel Sérgio, 52)
15:56  -  23-10-2014
O engenheiro Fernando Santos: o ser e o tempo (artigo de Manuel Sérgio, 51)
19:34  -  16-10-2014
O preparo físico dos nossos jogadores de futebol, 2.ª parte (artigo de Manuel Sérgio, 50)
17:38  -  11-10-2014
O preparo físico dos nossos jogadores de futebol (1) (artigo de Manuel Sérgio, 49)
22:14  -  03-10-2014
Eduardo Monteiro: perfil de um dirigente! (artigo de Manuel Sérgio, 48)
17:55  -  28-09-2014
A propósito do engenheiro Fernando Santos (artigo de Manuel Sérgio, 47)
16:47  -  22-09-2014
O campeão observado a dois ângulos de visão (artigo de Manuel Sérgio, 46)
00:24  -  18-09-2014
Há falta de treinadores negros (artigo de Manuel Sérgio, 45)
01:06  -  13-09-2014
Valdano: um homem que transporta uma frustração (artigo de Manuel Sérgio, 44)
18:39  -  08-09-2014
A grande revolução a fazer no futebol (artigo de Manuel Sérgio, 43)
18:36  -  03-09-2014
Mais Platão, menos Prozac! (Artigo de Manuel Sérgio, 42)
14:57  -  28-08-2014
Fiel ao Belenenses e... aos amigos! (artigo de Manuel Sérgio, 41)
18:38  -  17-08-2014
O Deus dos filósofos e os deuses do futebol (artigo de Manuel Sérgio, 40)
18:34  -  10-08-2014
O olho das rãs e o futebol (artigo de Manuel Sérgio, 39)
21:47  -  04-08-2014
“Francisco de Assis e Franscisco de Roma” - mais um livro de Leonardo Boff (artigo Manuel Sérgio, 38)
16:52  -  26-07-2014
“Preparar para Ganhar”: um livro de José Neto (artigo Manuel Sérgio, 37)
22:24  -  15-07-2014
O Futebol na Sociedade Pós-Capitalista ou a vitória da Alemanha (artigo Manuel Sérgio, 36)
00:43  -  07-07-2014
Código de Ética Desportiva (artigo Manuel Sérgio, 35)
16:35  -  02-07-2014
A Literatura e o Desporto: a propósito de Sophia (artigo Manuel Sérgio, 34)
20:53  -  27-06-2014
O Futebol e os Escritores (artigo Manuel Sérgio, 33)
22:45  -  22-06-2014
As dúvidas do Doutor Eduardo Barroso: as dele e as minhas! (artigo Manuel Sérgio, 32)
16:17  -  08-06-2014
Carta Aberta ao Ministro do Desporto do Brasil (artigo Manuel Sérgio, 31)
18:08  -  01-06-2014
Da poesia ao futebol (artigo Manuel Sérgio, 30)
18:57  -  27-05-2014
Factos e valores (artigo Manuel Sérgio, 29)
18:50  -  19-05-2014
Parabéns ao Benfica: na vitória e na derrota (artigo Manuel Sérgio, 28)
16:35  -  12-05-2014
Marco Silva: um grande treinador, com toda a certeza! (artigo Manuel Sérgio, 27)
21:07  -  01-05-2014
A grande revolução de Jesus ou o mundo que o desporto não tem (artigo Manuel Sérgio, 26)
00:52  -  24-04-2014
O 25 de Abril e o Futebol Português (artigo Manuel Sérgio, 25)
18:33  -  11-04-2014
Os mitos fundadores da Modernidade (artigo Manuel Sérgio 24)
23:56  -  06-04-2014
Os cem anos da FPF: em Portugal também há progresso? (artigo Manuel Sérgio 23)
20:01  -  30-03-2014
Nova Teoria do Sebastiano e o Futebol Português (artigo Manuel Sérgio 22)
23:11  -  23-03-2014
José Medeiros Ferreira: o desportisra, o político, o intelectual (artigo Manuel Sérgio 21)
17:26  -  18-03-2014
Nossos contemporâneos (artigo Manuel Sérgio 20)
21:39  -  03-03-2014
Há necessidade de uma utopia (artigo Manuel Sérgio 19)
00:49  -  22-02-2014
“Filosofia e Futebol: troca de passes” - um livro de grande atualidade ( artigo Manuel Sérgio 18)
22:28  -  16-02-2014
A Inteligência Competitiva e o Espectáculo Desportivo (artigo Manuel Sérgio 17)
18:50  -  12-02-2014
Plano Nacional de Ética no Desporto (artigo Manuel Sérgio 16)
21:08  -  02-02-2014
Porque sou belenenses... (artigo Manuel Sérgio 15)
00:04  -  28-01-2014
Aurélio Pereira ou um projeto antropológico (artigo Manuel Sérgio 14)
00:19  -  23-01-2014
O nome da rosa (artigo Manuel Sérgio 13)
00:11  -  15-01-2014
Cristiano Ronaldo: agilidade física ou intelectual? (artigo Manuel Sérgio 12)
00:38  -  13-01-2014
Eusébio tem lugar indiscutível no panteão nacional (artigo Manuel Sérgio 11)
23:59  -  03-01-2014
Ciência no Futebol e outras coisas mais... (artigo Manuel Sérgio 10)
00:04  -  30-12-2013
O Desporto nem sempre educa... (artigo de Manuel Sérgio 9)
00:37  -  23-12-2013
Carta Aberta aos jogadores do Bom Senso F.C. (artigo de Manuel Sérgio 8)
00:14  -  10-12-2013
Os golos do Ronaldo e a ética da palavra (artigo de Manuel Sérgio 7)
22:14  -  03-12-2013
Cristiano Ronaldo: - um herói da cultura! (artigo de Manuel Sérgio 6)
21:39  -  20-11-2013
Os erros dos árbitros e os erros dos outros... (artigo de Manuel Sérgio 5)
11:56  -  28-10-2013
«O Desporto (o Futebol) não é violência» (artigo de Manuel Sérgio 4)
22:58  -  18-10-2013
«O Desporto e o Desafio do Sentido» (artigo de Manuel Sérgio 3)
22:45  -  06-10-2013
«O pensamento ético contemporâneo e o Desporto» (artigo de Manuel Sérgio 2)
18:40  -  27-09-2013
«O Desporto em que eu acredito» (artigo de Manuel Sérgio 1)
Comentários (0)

Últimas Notícias