«Não podemos perder concentração em momentos que nos penalizam»

Tondela 24-08-2019 13:25
Por Arménio Pereira

O Tondela joga este domingo na Madeira frente ao Marítimo (16h) jogo a contar para a terceira jornada da Liga. Natxo González fez a antevisão à partida para reconhecer as dificuldades que vai encontrar com os insulares constatando desde logo uma evidência: «Na Madeira nunca se conseguiu um resultado positivo».

 

O técnico espanhol realçou que a sua equipa está num processo de crescimento «com o objetivo de ser mais compacta para se tornar mais fiável». Natxo González olha para o jogo com os maritimistas como difícil e complicado incluindo o horário a que será jogado mas o grupo de trabalho vai à ilha da Madeira com ambição e vontade de somar os três pontos.

 

O Tondela vem de um resultado negativo em casa frente ao Portimonense, mas o treinador não considera que a exibição tenha sido assim tão negativa. «Fizemos coisas bem mas não fomos fiáveis. Consentimos dois golos muito fáceis e sofrendo dois golos é muito difícil dar a volta a uma partida», lamentou.

 

Natxo González considera a fiabilidade defensiva primordial, principalmente, para uma equipa que está a crescer. «Creio que à medida que sejamos mais fiáveis defensivamente isso origina a confiança necessária para poder atacar melhor. Não podemos perder a concentração em momentos concretos que nos penalizam», alertou.

 

Natxo González analisou dois jogos do Marítimo, um deles, em casa, frente ao Sporting: «Uma equipa com um futebol muito direto, transições rápidas, tem quatro ou cinco jogadores muito importantes, no seu jogo de ataque, com muita qualidade».

 

O treinador do Tondela viu duas versões do mesmo Marítimo, logicamente, que a sua equipa deve estar preparada para qualquer uma delas que possa encontrar.

 

Com o aproximar do fecho do mercado, o plantel está praticamente definido e embora até 2 de setembro tudo possa acontecer, para já «todas as posições estão bem ocupadas». Os jogadores que chegaram mais tarde ainda não estão nas condições físicas ideais, agora, há que trabalhar para que todos possam estar ao mesmo nível, físico, técnico e tático.

   

O FUTURO COM O NOSSO PASSADO


Porque A BOLA não quer que o jornalismo deixe de ser o jornalismo de qualidade que se faz da grande história, da investigação e da grande reportagem – nós temos esse jornalismo (o jornalismo que fez com que se falasse de A BOLA como a Bíblia) para lhe continuar a dar.

Porque A BOLA não quer que o jornalismo deixe de ser o jornalismo do texto criativo e sedutor e da opinião acutilante que não se faz de cócoras ou de mão estendida – nós temos esse jornalismo para lhe continuar a dar…

… e para nos ajudar a manter e a melhorar esse jornalismo sério e independente com o timbre de A BOLA,

Junte-se a nós nesse novo desafio ao futuro, tornando-se nosso assinante.

ASSINE AQUI

A Edição Digital de A Bola

Ler Mais
Comentários (0)

Últimas Notícias