Ronnie bate Higgins (6-3): a um passo de 6.ª final em 7 edições da Champions

Snooker 07-11-2019 21:09
Por António Barroso

O inglês Ronnie O’ Sullivan, de 43 anos, terceiro do ranking (e pentacampeão mundial, em 2001, 2004, 2008, 2012 e 2013) apurou-se na noite desta quinta-feira para as meias-finais da Champion of Champions, prova da época 2019/2020 da World Snooker, ao vencer o escocês John Higgins, de 44 anos, quinto da hierarquia (e tetracampeão mundial, em 1998, 2007, 2009 e 2011), por 6-3, no jogo decisivo do Grupo 4 do torneio, a decorrer até domingo, dia 10 do corrente mês, na Ricoh Arena, em Coventry (Inglaterra).

 

Ronnie está a um passo da sua sexta final em sete edições do torneio de elite em Coventry desde 2013, e a duas vitórias de um quarto troféu: nesse ano, ganhou a Stuart Bingham (10-8), para repetir o êxito em 2014 ante Judd Trump (10-7), ser batido por John Higgins em 2015 (7-10) e por Shaun Murphy no duelo decisivo de 2016 (8-10), até voltar a vencer a anterior edição da prova, em 2018 (10-9 a Kyren Wilson).

 

O 69.ª clássico entre os dois titãs da modalidade, ambos profissionais há 28 anos (desde 1992), com nove títulos mundiais (cinco do inglês, quatro do escocês) e 66 títulos de ranking conquistados pela dupla de contendores à mesa – 30 por John, terceiro maior da história da era moderna desta variante do bilhar, e 36 por Ronnie, o mais titulado… a par do escocês Stephen Hendry (já retirado, embora jogue, ainda, o circuito dos Seniores… como Jimmy White) – não defraudou a expetativa.

 

No parcial inaugural, Ronnie ficou-se por 29 pontos, Higgins limpou a mesa até à rosa para pontos capicua (entrada notável, de 92) e 0-1 para o escocês. Resposta logo após: centenária de Ronnie (104 pontos) à primeira chance, 1-1. O filme do parcial inaugural pareceu repetir-se na segunda partida, com O’Sullivan a somar 33 pontos até 34-0, mas quando Higgins ía em 27 e embolsou a azul, aproveitou para espalhar as vermelhas mas uma entrou também noutro buraco.

 

Falta, cinco pontos para o inglês, que com entrada de 36 pontos, Ronnie selou o 2-1: liderava pela primeira vez. Sol de pouca dura, de tanto arriscar na quarta partida: primeiro, vermelha longa falhada e Higgins a ir até aos 32 pontos e falhar vermelha longa (para o canto mais próximo da bola amarela). Com encarnada sem grandes problemas disponível para o meio, o Rocket falhou e o escocês somou entrada de 89 pontos para 2-2 ao intervalo.

 

Hesitações de parte a parte no recomeço, com o mal repartido: 3-2 para Ronnie, 3-3 logo após para Higgins, com ambos a perderem ocasião de acabar parciais numa só visita à mesa. Mas a prova de que O’Sullivan respeita o escocês como nenhum outro profissional veio logo a seguir: uma chance… e 91 pontos mas a contar 85 para a entrada do 4-3, com Ronnie a jogar antes de a árbitra reposicionar bola rosa no ponto (falta, 6 pontos). O sinal de que não era para centenárias ou brilhar: era mesmo para, acima de tudo e mais importante… ganhar.

 

Momento culminante, e por fim um a ter dois parciais de vantagem na 8.ª partida: Ronnie falha a 11-0, Higgins imita-o quando somava parcos 20, O’Sullivan carrega com nova entrada de 52 pontos e, com nova visita a limpar até à rosa, faz o 5-3.

 

O escocês, vice-campeão mundial em 2017, 2018 e no corrente ano, estava encostado às cordas, sem mais margem para errar, e obrigado a ganhar três parciais… em três possíveis, ante o grande rival dos últimos 28 anos. Mas a decisão veio logo após: 41 pontos de Ronnie, Higgins a falhar aos 49, mas bela vermelha espantosa a longa distância, e logo seguida de rosa longa (para o buraco mais próximo da bola verde) e nova bola  - última vermelha - complicada, porque encostada à tabela lateral, permitiram a Ronnie acabar com o jogo com classe e categoria... num duelo em que o seu jogo longo só apareceu, mesmo, ali, quando era importante.

 

O Rocket defronta sexta-feira (19 horas), nas meias-finais do torneio - que já venceu por três ocasiões e no qual defende o título  - o australiano Neil Robertson, de 37 anos, quarto da hierarquia, vencedor do Grupo 1 (6-5 a Shaun Murphy). Em 27 duelos entre os dois amigos, Ronnie venceu 18, Neil oito deles e há ainda um empate (Premier League).

 

A segunda meia-final da Champion of Champions – fase jogada à melhor de 11 frames, até um vencer seis (de 6-0 a possíveis 6-5) - opõe sábado (19 horas) o norte-irlandês Mark Allen, de 33 anos, sétimo do ranking, ao líder da hierarquia e campeão mundial, o inglês Judd Trump, de 30 anos.

 

À tarde, O’Sullivan vencera, nas meias-finais do Grupo 4, o veterano (57 anos) campeão mundial de seniores, amigo e compatriota Jimmy White, de, 128.º do ranking, por tangencial 4-3, com espetacular reviravolta, após o Whirlwind (moinho de vento, alcunha de Jimmy White) ter chegado a 0-3, e, com 3-2 e mesmo na negra (3-3) ter tido chances para acabar com Ronnie logo ali. White, com uma entrada de 56 pontos no primeiro parcial, e O’Sullivan tacadas de 74 e 76 pontos, nas quarta e sétima partidas, foi o melhor que se viu.

 

Na outra meia deste grupo, Higgins, vice-campeão mundial em 2017, 2018 e no corrente ano, bateu o inglês Stuart Bingham, de 43 anos, 13.º da tabela (e campeão mundial em 2015), por 4-2. O escocês chegou a 2-0 (entrada de 78 pontos no primeiro parcial), viu o rival igualar 2-2 (entrada de 56 pontos na terceira partida), mas, depois, John arrancou breaks de 61 e 84 pontos, para vencer.

 

A Champion of Champions, torneio por convite (não pontuável para o ranking) da época 2019/2020 da World Snooker, decorre até domingo, dia 10, em Coventry. O torneio distribui £440 mil (€511.327) em prémios, das quais £150 mil (€174.316) ao campeão, e não tem transmissão televisiva para Portugal.

 

Grupo 4, esta 5.ª feira (apurado a negro):

Ronnie O’Sullivan-Jimmy White, 4-3

Stuart Bingham-John Higgins, 2-4

Ronnie O’Sullivan-John Higgins, 6-3

 

Meias-finais:

Ronnie O’Sullivan-Neil Robertson (6.ª feira, 19 horas)

Mark Allen-Judd Trump (sábado, 19 horas)

Ler Mais
Comentários (0)

Últimas Notícias