Maguire e Allen eliminam Williams e Neil em York (6-5)

Snooker 05-12-2018 23:37
Por António Barroso

O escocês Stephen Maguire, de 37 anos, 15.º da hierarquia, protagonizou esta quarta-feira mais uma enorme surpresa e um recital de bem jogar dos melhores do corrente ano para vencer (6-5) e eliminar do UK Championship o campeão mundial e número dois da tabela, o galês Mark Williams, de 43 anos, no segundo jogo a concluir-se dos oitavos de final da prova da época 2018/2019 da World Snooker, que decorre até 9 do corrente mês no Barbican Centre, em York (Inglaterra).

 

Williams, tricampeão mundial (2000 e 2003, além de 2018) chegou ao intervalo a ganhar por… 4-0. Mas o que vinha aí era um Maguire ao nível de quem já foi número dois mundial e conquistou o último Lisbon Open, em dezembro de 2014. Três centenárias de rajada (!) para encostar a 3-4, e continuou por ali fora, até 5-4 e ter o 6-4 na sola do taco… mas falhar a bola amarela de boa posição, na sequência final de cores.

 

Tudo ficou para o 11.º parcial, onde, com duas vermelhas cruzadas à tabelas – uma delas, a última, verdadeiro regalo para os sentidos, a deixar até Williams de olhos arregalados -, Maguire consumou a sensacional reviravolta, a vitória (6-5) com todo o merecimento, a provar que, no snooker, só está ganho após estar. Mesmo.

 

Um dos jogos do corrente ano, entre Stephen Maguire e Mark Williams – ao nível do visto entre Ronnie e Selby, nas ‘meias’ em Belfast -, a ter de tudo. Hino ao snooker, na segunda prova mais longa do calendário (14 dias, duas semanas), apenas suplantada pelo Mundial, em Sheffield (19 dias).

 

Nos quartos de final, que se jogam sexta-feira, Stephen Maguire terá por adversário o norte-irlandês Mark Allen, de 32 anos, sétimo da hierarquia, que na sessão noturna desta quarta-feira voltou a bater, tal como na final do International Championship (então por 10-5) o australiano Neil Robertson, de 26 anos, décimo da hierarquia (e campeão mundial em 2010), por 6-5.

 

Um jogo em que Allen dominou a primeira metade, chegou ao intervalo a vencer por 3-1, teve a chance de aumentar para 1-4 mas Neil renasceu das cinzas, à campeão, para reduzir, primeiro (2-3) e, depois, num sensacional sexto parcial – talvez o momento culminante do duelo -, e com 42 pontos de atraso do norte-irlandês e 43 pontos possíveis na mesa, limpá-la e igualar, com uma bola rosa longa, embolsada antes, para o canto mais próximo da posição da bola verde, simplesmente… sublime.

 

E quando se pensava já ter assistido a drama e emoção que chegasse, o filme teve sequela e reposição no ‘frame’ imediato, o sétimo, com Allen a chegar a 63-51: 12 pontos de vantagem, com 13 possíveis na mesa, rosa (seis pontos) e preta (sete pontos). E Neil a voltar a embolsar ambas, 63-64… e o australiano na frente, 3-4. Mais equilibrado era impossível, e a tensão sentia-se no ar: seria desta que Robertson se desforrava do desaire em Daging, na final do International Championship? Fantástica jornada de propaganda do snooker, mais uma, essa, já estava garantida. Um regalo.

 

Allen respondeu com o oitavo parcial, a igualar 4-4, e teve no taco a hipótese de ficar a um da meta. Mas aos 63 pontos acabou-se-lhe o gás na entrada… e Robertson reagiu com tudo, de novo, a resgatar ‘in extremis’, na preta, mais um parcial para o seu lado (o terceiro que Neil conquistou das cinzas) e a ficar a liderar por 5-4.

 

A ânsia, ao atacar e falhar uma vermelha longa, acabou por trair o profissional do hemisfério sul, no 10.º parcial: centenária de Allen , 5-5 e o norte-irlandês a imperar na decisão e seguir em prova.

 

Os oitavos de final, que se iniciaram com a vitória do inglês Ronnie O’Sullivan sobre o compatriota Jack Lisowski por 6-1 – o ‘Rocket’ espera o vencedor do embate entre Ding Junhui e Martin O’Donnell para conhecer o rival nos ‘quartos’ - completam-se com mais quatro jogos, divididos por duas sessões, quinta-feira, dia 6 do corrente mês.

 

No outro jogo da sessão noturna desta quarta-feira, e ainda em curso, o surpreendente chinês Lu Ning, de 24 anos, apenas 112.º da hierarquia, estava a bater-se de forma tremenda em York ante o inglês Tom Ford, de 35 anos, 36.º da tabela mundial: nesta altura, após quatro horas e meia de batalha, vão começar a negra (5-5)…

 

Na quinta-feira, destaque para dois embates 100 por cento ingleses destes oitavos de final: Judd Trump, de 29 anos, quinto da hierarquia, terá pela frente o experiente (44 anos) Joe Perry, 21.º da tabela mundial, às 13 horas (mesmo horário do duelo de Ding e O’Donnell), enquanto que, na sessão noturna, atenções viradas para o faiscante duelo entre os números seis e nove do Mundo, respetivamente Barry Hawkins, de 39 anos, e Kyren Wilson, de 26 anos (19 horas)

 

O tailandês ‘Sunny’ Akani Songswermsawad, de 23 anos, 65.º da tabela mundial, defrontará ainda, na sessão noturna de quinta-feira (19 horas locais, mesma hora em Portugal continental) o campeão mundial de 2015, o inglês Stuart Bingham, de 42 anos, 14.º da hierarquia, a fechar os ‘oitavos’.

 

O UK Championship é uma das três maiores provas da época 2018/2019 da World Snooker e foi ganho por Ronnie O’Sullivan em 2017 (10-5 a Shaun Murphy na final).  O torneio é transmitido para Portugal (EuroSport) e atribui 850 mil libras em prémios (952.900 euros), das quais 170 mil libras (190.580 euros) ao futuro campeão.

 

Os jogos são à melhor de 11 possíveis ‘frames’ – vence o primeiro a ganhar seis (6-0 a 6-5) até às meias-finais. A final será jogada domingo, dia 9 do corrente mês, à melhor de 19 ‘frames’: é campeão o primeiro a vencer dez (de 10-0 a possíveis 10-9).

 

Oitavos de final (apurados a negro):

Ronnie O'Sullivan-Jack Lisowski, 6-1

Stephen Maguire-Mark Williams, 6-5

Mark Allen-Neil Robertson, 6-5

Lu Ning-Tom Ford, 5-5 (em curso)

Martin O'Donnell-Ding Junhui (5.ª feira, 13 horas)

Judd Trump-Joe Perry (5.ª feira, 13 horas)

Sunny Akani-Stuart Bingham (5.ª feira, 19 horas)

Kyren Wilson-Barry Hawkins (5.ª feira, 19 horas)

Ler Mais
Comentários (0)

Últimas Notícias