«Ronaldo foi-se embora para ver a mãe e agora só tira fotos na piscina»

ITÁLIA 25-03-20 1:23
Por Redação

Giovanni Cobolli Gigli, antigo presidente da Juventus, considera que a viagem de Cristiano Ronaldo para a Madeira, onde permanece junto da família, a fim de visitar a mãe, abriu um precedente perigoso para o futebol italiano, legitimando, como se tem verificado, pedidos idênticos por parte de outros jogadores.

«Criticar agora é fácil, mas, visto de fora, não percebo por que razão alguns jogadores quiseram sair de Itália. Quando regressarem será mais difícil voltarem a recuperar a forma, porque vão ter de ficar 14 dias em quarentena», argumenta, em declarações à rádio Punto Nuovo.«Tudo se complicou quando Cristiano Ronaldo se foi embora, disse que foi [para a Madeira] por causa da mãe mas agora só aparece a tirar fotos junto à piscina», critica, acrescentando:

«Quando se abriu a exceção para Ronaldo, a situação descontrolou-se e outros, como Higuaín, que também pediu para ir ver a mãe [à Argentina], quiseram ir embora. Não devia ter sido assim, deviam ter ficado todos em quarentena, inclusivamente os jogadores do Inter.»