Cristiano  Ronaldo: um poeta! (artigo de Manuel Sérgio, 325)

ESPAÇO UNIVERSIDADE 09-02-20 4:14
Por Manuel Sérgio

Venho sublinhando, há muitos anos já, que o desporto é o fenómeno cultural de maior magia, no mundo contemporâneo. Um fenómeno cultural, ou seja, autobiografia de um grande sentimento, em que a razão se transcende. O poeta é mais do que razão, é vate, vaticina portanto a parcela de Céu que a Terra pode ser. O poeta é isso mesmo:  porta-voz do que para a maioria parece insondável, desconhecido, inexprimível. Por que não dizermos: divino? E portanto o poeta é o porta-voz do que de divino existe dentro de cada um de nós. Demais, Jesus assim o disse: “o Reino de Deus está dentro de cada um de vós”. Relembro aqui o Manuel Alegre, uma das minhas primeiras admirações literárias, desde o tempo em que o comecei a ler, na Faculdade de Letras (em 1962, se não estou em erro).

                                                                               Eusébio

                                                               Havia nele a máxima tensão

                                                               Como um clássico ordenava a própria força

                                                               Sabia a contenção e era explosão

                                                               Havia nele o touro e havia a corça

                                                               Não era só instinto era ciência

                                                               Magia e teoria já só prática

                                                               Havia nele a arte e a inteligência

                                                               Do puro fogo e sua matemática

                                                               Buscar o golo mais que golo – só palavra

                                                               Abstracção pronta no espaço teorema

                                                               Despido do supérfluo rematava

                                                               E então não era golo – era poema

                E o mesmo Manuel Alegre, desportista e político e poeta (dos maiores do nosso tempo) cantou assim o Chalana:

                                                               Eis a página em branco

                                                               O gesto como palavra

                                                               Cada jogada uma aventura

                                                               Como o poeta ele fará

                                                               O que menos se esperava

                                                               Escreve por todo o campo

                                                               Como o poeta procura

                                                               O poema que não há

                O específico da poesia e afinal de toda a arte é transcendência, superação do prosaísmo da vida, uma dimensão especificamente humana, inédita no reino da Natureza. Fazer poesia é, afinal, tornar visível o universo desconhecido dos possíveis. Recordo, agora, o poeta José Régio:

                                                                               Acabaste?

                                                               - Acabaste?

                                                               - Meu amor, acabei.

                                                               -  Apagaste a candeia? Apagaste?

                                                               -  Meu amor, apaguei.

                                                               - E fechaste o postigo? E fechaste?

                                                               - Meu amor, sim, fechei.

                                                               - Que rumor é aquele? Não sentes?

                                                               -  Meu amor, que te importa?

                                                               -  É a vida a dar socos na porta.

                                                                -  É lá fora. São eles. É o mundo. São gentes…  

                                                                -  São gentes? Quem são?

                                                                -  São colegas, amigos, parentes…

                                                                -  Vai dizer-lhes que não! Vai dizer-lhes que não!

                                                 

                                Diante de um espetacular golo de Cristiano Ronaldo e de um poema de um inolvidável poeta, onde se encontra mais poesia? Tanto no Cristiano Ronaldo, como no poeta! Em ambos, descobre-se uma criação do homem pelo homem; em ambos, o ponto de partida é o ato criador e o ponto de chegada é o universo humano dos possíveis; em ambos a arte é um símbolo moral. Cristiano Ronaldo: um poeta? Para mim, é e… sem sombra de dúvidas!   Antes  de Ronaldo, no futebol, o ser humano era, vezes sem conta, pura possibilidade! Depois de um programa que vi, na televisão, sobre Cristiano Ronaldo, escrevi esta minha crónica. Depois das lancinantes alegorias de Kafka à metamorfose de um homem em verme; depois das “técnicas de aviltamento”, perpetradas por toda a sorte de cobardes -  delicia-me contemplar um golo de Ronaldo. O Cristiano Ronaldo, pela sua força irradiadora, pela sua pujança, pelo seu inconformismo -  uma criatura viva e não uma natureza escondida e morta!      

Manuel Sérgio é professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana e Provedor para a Ética no Desporto