Parlamento apoia captura de petroleiro britânico

IRÃO 21-07-19 10:51
Por Redação

O parlamento iraniano deu este domingo o seu apoio à captura do petroleiro britânico Stena Bulk por parte dos Guardas da Revolução, que provocou uma crise diplomática entre Irão e Reino Unido.

«Os britânicos cometeram pirataria e nós respondemos», disse o presidente do parlamento iraniano, Ali Larijani, citado pela agência EFE.

Para além desta declaração, os deputados elaboraram um comunicado de apoio e agradecimento à ação dos Guardas da Revolução no estreito de Ormuz, assinado por 160 parlamentares.

Um membro da comissão de Energia do parlamento, Jalal Mirzaei, disse que espera que «o ato do Corpo dos Guardas da Revolução tenha transmitido a mensagem aos britânicos de que não podem atuar contra as normas internacionais».

Na noite de sexta-feira, os Guardas da Revolução iranianos anunciaram que tinham confiscado o petroleiro, alegando que a embarcação tinha desrespeitado o código marítimo internacional e os pedidos da autoridade portuária e marítima da província de Hormozgan.

O petroleiro britânico e os 23 tripulantes encontram-se no porto de Bandar Abbas, enquanto decorre uma investigação pela suposta infração das normas de navegação.

No sábado, Alahmorad Afifipur, diretor da Organização de Portos e Navegação da província de Hormozgan, justificou o arresto dizendo que «o petroleiro chocou com um barco de pesca durante a sua rota» e que depois desse incidente «era necessário perceber os motivos».

Já este domingo, o mesmo responsável portuário disse, citado pela AFP, que a rapidez da investigação sobre o incidente «dependerá da cooperação da tripulação» e do acesso das autoridades «às provas necessárias para examinar o assunto».

Numa mensagem publicada no sábado na rede social Twitter, o ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros, Mohamad Javad Zarif, exigiu ao Reino Unido que deixe de ser «cúmplice das sanções dos Estados Unidos contra o Irão.

Também no sábado, a diplomacia britânica convocou o encarregado de negócios iraniano no Reino Unido, segundo fonte governamental.

O Reino Unido também pediu a outros navios britânicos para evitarem o estreito de Ormuz, uma passagem marítima vital para o tráfego