Angola e São Tomé acordam «reconsiderar as suas dívidas»

São Tomé e Príncipe 19:24
Por Lusa

Angola e São Tomé e Príncipe acordaram «reconsiderar as suas dívidas», na sequência da deslocação de uma delegação angolana a São Tomé, anunciou hoje o Governo são-tomense no final da reunião do Conselho de Ministros.

 

O executivo são-tomense destacou, na reunião, a visita de três dias da delegação multissetorial de Angola a São Tomé e Príncipe, referindo-se que «as partes se comprometeram em fazer renascer um novo ciclo de cooperação, atribuindo capital importância ao incremento do setor privado dos dois países, tendo-se já agendado a realização de um Fórum Empresarial em São Tomé e Príncipe em outubro do corrente ano».

 

O documento sublinha, por outro lado, que «Angola e São Tomé e Príncipe decidiram reconsiderar as suas dívidas nos termos propostos pelas duas partes».

 

Uma fonte da Empresa Nacional de Combustíveis e Óleo (Enco) disse à Lusa que apenas a nível do fornecimento do combustível, São Tomé tem uma dívida com Angola superior a 187 milhões de dólares (mais de 167 milhões de euros).

 

O Governo de Jorge Bom Jesus referiu-se ainda neste comunicado sobre «a disponibilidade de Angola em cooperar com São Tomé e Príncipe em setores pontuais como a defesa, a segurança interna, as pescas, a agricultura, os transportes aéreos e marítimos, a comunicação social, bem assim como na área dos petróleos».

 

Por outro lado, o Governo anunciou que uma delegação são-tomense desloca-se esta segunda-feira à Guiné Equatorial para uma visita de trabalho com o objetivo de «relançar a cooperação».

 

A delegação é composta pela ministra dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Comunidades, Elsa Pinto; do Planeamento, Finanças e Economia Azul, Osvaldo Vaz, e das Obras Públicas, Recursos Naturais e Ambiente, Osvaldo Abreu, desloca-se na segunda-feira à Guiné-Equatorial para uma visita de trabalho", indica fonte governamental.

 

De acordo com um comunicado do Conselho de Ministros hoje divulgado, a delegação são-tomense desloca-se a este país «a convite das autoridades equato-guineenses» e visa «relançar a cooperação» entre os dois países.

 

Em declarações hoje à Lusa, o secretário de Estado da Comunicação Social, Adelino Lucas, disse que a missão ministerial são-tomense «vai preparar a visita do primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus, à Guiné Equatorial» que terá lugar «o mais breve possível».

 

Sobre outras matérias, o comunicado anuncia a concessão do centro de saúde do distrito de Cantagalo, um dos mais importantes do país, situado a 16 quilómetros a sul de São Tomé ao grupo Humanity First Jama Islamica Ahmadyya, que vai garantir a sua requalificação e apetrechamento.

 

O Conselho de Ministros deliberou também sobre a necessidade de «uma maior articulação dos setores envolvidos para garantir a logística necessária às celebrações do Centenário da Teoria da Relatividade na ilha do Príncipe».

 

Fonte governamental disse à Lusa que são aguardados mais de 100 participante estrangeiros neste ato, incluindo três chefes de Estados: o Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa; o Presidente são-tomense, Evaristo Carvalho, e o Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo.

Ler Mais

Últimas Notícias