Governo contorna no parlamento questão sobre valor da ajuda após ciclones

Moçambique 16-05-2019 13:22
Por Lusa

O Governo moçambicano evitou hoje uma resposta no parlamento à questão sobre o montante exato da ajuda que recebeu do movimento de solidariedade para com as vítimas dos ciclones Idai e Kenneth no centro e norte do país.

 

A pergunta sobre os valores da ajuda interna e internacional às vítimas dos ciclones foi formulada pela bancada da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição, na sessão parlamentar de perguntas ao Governo, que terminou hoje.

 

Tanto o primeiro-ministro, Carlos Agostinho do Rosário, como a ministra da Administração Estatal, Carmelita Namashulua, que tem a tutela da assistência humanitária, evitaram uma resposta direta à questão.

 

Carlos Agostinho do Rosário defendeu que o apoio destinado às vítimas das calamidades naturais tem sido gerido com transparência pelo Instituto Nacional de Gestão de Calamidades Naturais (INGC), em coordenação com o Programa Alimentar Mundial (PAM).

 

«A receção, gestão e distribuição dos donativos é gerido pelo INGC em coordenação com o PAM», disse Carlos Agostinho do Rosário.

 

O chefe do Governo adiantou que todas as operações de assistência humanitária a cargo do Governo serão auditadas por uma entidade externa.

 

Por sua vez, a ministra da Administração Estatal também evitou responder à pergunta sobre os valores da ajuda.

 

O ciclone Idai atingiu o centro de Moçambique em março, provocou 603 mortos e afetou cerca de 1,5 milhões de pessoas, enquanto o ciclone Kenneth, que se abateu sobre o norte do país em abril, matou 45 pessoas e afetou 250.000.

 

O Governo moçambicano anunciou esta semana que vai pedir aos doadores 3,2 mil milhões de dólares (2,8 mil milhões de euros) para a reconstrução das infraestruturas destruídas pelos dois ciclones.

Ler Mais

Últimas Notícias