SÁBADO, 25-03-2017, ANO 18, N.º 6265
Manuel Sérgio
Ética no Desporto
É preciso fazer do Homem o futuro do Homem (artigo de Manuel Sérgio, 186)
18:24 - 18-03-2017
Redação
Começo com um texto de Agostinho da Silva, nas Sete Cartas a um Jovem Filósofo: «Do que você precisa, acima de tudo, é de se não lembrar do que eu lhe disse: nunca pense por mim, pense sempre por você; fique certo de que mais valem todos os erros se forem cometidos, segundo o que pensou e decidiu do que todos os acertos, se eles forem meus, não seus. Se o criador o tivesse querido juntar a mim, não teríamos talvez dois corpos ou duas cabeças também distintas. Os meus conselhos devem servir para que você se lhes oponha. É possível que, depois da oposição venha a pensar o mesmo que eu, mas nessa altura já o pensamento lhe pertence. São meus discípulos, se alguns tenho, os que estão contra mim, porque esses guardaram no fundo da alma a força que verdadeiramente me anima e que mais desejaria transmitir-lhes: a de não se conformarem”.

Eu também não me conformo em ver determinados clubes desportivos governados, dirigidos, presididos por tanta mediocridade desencantada, que se esforça por esconder a incompetência, através de um palavreado boçal e primário, numa instintiva conivência com a irracionalidade de algumas claques e de certos bandos. Quem os ouve falar, alteando as sobrancelhas, com um discurso como um faiscar de navalhas, inventando um inimigo em cada esquina da vida, logo é tentado a comentar: “Trata-se de uma visão individualista, reacionária, conservadora do Desporto, pois que estas pessoas têm da História uma visão individualista e não estrutural”. E tanto é assim que, no fim dos seus consulados, feitas as contas, foram poucos os êxitos e muitos os inêxitos, foram muitos os sonhos e pouca a realidade. Os clubes não podem voltar ao velho “estamos orgulhosamente sós”, pois que o desporto é um permanente convite à sinergia.

No desporto, antes de formar campeões, interessa formar pessoas autenticamente humanas, porque é com pessoas autenticamente humanas que é possível criar as organizações donde nascem as vitórias inolvidáveis. O que é uma “organização”? Na sociedade do conhecimento, que é a nossa, uma “organização” é um grupo de especialistas que se ocupa, com a honestidade possível, de uma tarefa comum, procurando tornar os conhecimentos produtivos. O especialista é um teórico que sabe ser prático… mas que não dispensa a teoria, porque na dialética prática-teoria a prática surge altamente tributária da consciência, a qual, em todas as circunstâncias, deve ser crítica e reflexiva. Cito de cor a frase célebre de Lenine: “Sem teoria revolucionária, não há movimento revolucionário”. Um departamento de futebol será tanto mais produtivo quanto mais o habitar um conhecimento atualizado, que merece o apoio e o respeito das demais estruturas clubistas. Na sociedade do conhecimento, o treinador principal deve ser também um gestor do conhecimento, onde há prática, teoria e constante informação. Há muito venho também falando na criação, dentro dos clubes, de um Gabinete de Inteligência Competitiva (GIC). Costumo definir a Inteligência Competitiva (IC), num clube desportivo, como uma estrutura cultural e operacional de recolha e de análise e de tratamento e de encaminhamento da informação, visando a tomada de posições dos treinadores e dos gestores. A IC deve fornecer a informação certa, no momento certo, às pessoas certas, para que, finalmente, se possam tomar as decisões certas. Se desmontarmos os vários departamentos que constituem a organização geral de alguns clubes chegaremos à triste conclusão, que não se dá à informação, à cultura, à especialização um lugar relevante.

Demais, muitos clubes definem-se pelo seu espírito conservador e por demasiados preconceitos historicistas. Para existir, não basta ter história. Todos somos convidados a fazer história. E, hoje, desestabilizando o que, ao longo dos anos se julga intocável, indubitável, indiscutível. O Peter F. Drucker diz-nos que “a organização da sociedade pós-capitalista é desestabilizadora. Porque a sua função é pôr o conhecimento a trabalhar (nas ferramentas, nos processos e produtos, no trabalho, no conhecimento em si) deve ser organizada para a mudança constante. Deve ser organizada para a inovação. E inovação é (…) destruição criadora. Deve ser organizada para o abandono sistemático do estabelecido, do habitual e do confortável (…). Faz parte da natureza do conhecimento que ele se altere rapidamente e que as certezas de hoje se transformem em absurdos amanhã” (Sociedade Pós-Capitalista, Actual Editora, Lisboa, 2003, pp. 69/70). Mas sou tentado a continuar no Peter F. Drucker: “As mudanças que afectam mais profundamente o conhecimento, por norma, não vêm da sua própria área, como exemplifica a imprensa. A indústria farmacêutica está a ser profundamente alterada pelos conhecimentos provenientes da genética e da biologia, disciplinas de que, há quarenta anos atrás, poucas pessoas teriam ouvido falar num laboratório farmacêutico” (p. 70). Portanto, cada um dos clubes desportivos deve preparar-se para integrar, no seu próprio seio, muitas das novidades do conhecimento científico dos nossos dias. Depois, deve criar espaços, dentro de si, de estudo e de investigação. E, por fim, deve habituar-se a inovar. É evidente que tudo isto se torna difícil com dirigentes que depreciam a cultura e não sabem estabelecer uma unidade dialética fundamental entre a prática e a teoria. A prática, para eles, é pura repetição. Aliás, para eles, o desporto não transcende os limites do seu desconhecimento, da sua inércia.

A vida do clubismo desportivo, em Portugal, reporta-nos, muitas vezes, para o trabalho de dirigentes de uma operosidade honestíssima e de uma generosidade exemplar. Alguns deles conheci eu e deixo aqui, de passagem, uma flor à sua memória honrada. Mas, hoje, já não pode entender-se como desestabilização as novidades que o conhecimento nos traz e nos privam de uma continuidade adormecente e repousante. Todo o trabalho, para ser produtivo, deverá organizar-se em equipas de especialistas e, portanto, com pessoas que procuram uma informação constante. De facto, e volto uma vez mais a Peter Drucker, “o conhecimento exige uma aprendizagem contínua, porque está constantemente a mudar” (p. 104). Sendo assim, o especificamente desportivo é ciência, ou melhor, ciência hermenêutico-humana. Mas, porque ciência humana, onde a intencionalidade se concretiza numa tensão de busca em prol do mais humano. O horizonte da nossa reflexão, no Desporto, situa-se no desenvolvimento e aperfeiçoamento do ser humano. Não há desporto, sem situação educativa, porque mais importante que todos os campeonatos e taças deste nosso mundo altamente competitivo é o nascimento de um homem novo, de aguçado espírito crítico e de uma sabedoria de vida, capazes de ajudar ao surgimento de uma sociedade diferente, quero eu dizer: mais justa e mais solidária. Em baixa, média ou alta competição, o Desporto nunca deverá deixar de ser Educação. No meu modesto entender, três paradigmas despontam, no horizonte do Desporto: o paradigma biomédico, de claro acento fisiológico; o paradigma das ciências hermenêutico-humanas; e o da teoria crítica, que dá especial relevo aos valores políticos. Por minha parte, escolho o paradigma das ciências hermenêutico-humanas, julgando que assim, melhor do que noutros lados, o Homem é o futuro do Homem.

Manuel Sérgio é professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana e Provedor para a Ética no Desporto

NOTÍCIAS RELACIONADAS

comentários

1
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)
HumbGomes
20-03-2017 07:38
Meu querido professor e mestre - não obstante, não gostar que o trate assim, considero-o, como tal, porque é sábio ! - Tão sábio que, face ao serviço público de televisão que (não) temos, nos faculta a terapia adequada para suportarmos o caos e a irracionalidade que o futebol nos oferece...HumbGomes

mais de ÉTICA NO DESPORTO

Ética no Desporto Com os meus quase 84 anos de vida, posso dizer sem receio que ando no futebol, há muitos anos. Só como simples teórico – é verdade. Mas um teórico tão próximo da prática,
Ética no Desporto No jornal A Bola, de 2017/2/18, sob o título CARLOS LOPES faz 70 anos, o jornalista António Simões, um jornalista de talento com a invulgar sobreposição dos traços de um

destaques