QUINTA-FEIRA, 27-04-2017, ANO 18, N.º 6298
José Antunes de Sousa
Espaço Universidade
Ninguém me (L)iga! (artigo de José Antunes de Sousa, 69)
16:34 - 03-01-2017
José Antunes de Sousa
Ela bem que se empertiga e se coloca em bicos de pés – a ver se alguém lhe liga. Mas ninguém, ou quase ninguém parece ligar-lhe. Ela transporta um nome que é simultaneamente sinal de seu pretenso poder – um poder ilusório - e da sua tibieza e genética frouxidão. Afinal, ela nasceu da míngua e do aperto – e o que pequeno nasce tarde ou nunca se torna grande, ou “o que nasce torto tarde ou nunca se endireita”.

E uma ironia mais associada à bizarria de uma Taça cuja importância e atractivo parecem esgotar-se no nível artístico do artefacto, o caneco celebrativo: a Taça da Liga é cada vez mais um oportuno ensejo para a maioria desligar o dínamo da intensidade competitiva, prolongando o descanso natalício aos atletas mais utilizados.

Ela intromete-se no calendário para que reparem nela – mas ninguém, ou quase ninguém, pára para lhe dedicar um oblíquo olhar que seja. Ela não hesita em submeter-se a pequenas mas propagandeadas cirurgias estéticas, a ver se, com seu novo look, num diligente exercício de um denunciado coquetismo,, os clubes grandes se deixam finalmente seduzir pelos seus afectados trejeitos – pelo menos dois deles, que um, o Benfica, tomou~lhe o gosto e parece refém de uma paixão fácil de verão. Mas, convenhamos, é fácil o diagnóstico para a congênita astenia da Taça da Liga: ela é pouco compensadora- para além de lhe faltar a embalagem da história. Esta prova, faz lembrar uma prenda de casamento pelintra embrulhada artisticamente em papel fino e de primeira!

Num tempo, como é este nosso, caracterizado pela patológica obsessão pelo lucro, o deus luzidio do dólar que tomou de assalto o coração do homem contemporâneo e a que corresponde um maníaco funcionalismo – só vale o que resulta e funciona – é quase nulo o índice de atractibilidade de uma competição para cujo desfecho pouco mais está reservado do que a inscrição de um ínvio vencedor na tabela excel da estatística federativa. Claro que há uns euros, mas, mesmo isso, não torna a prova suficientemente luzidia - ironicamente, ela sê-lo-ia para as equipas de menor dimensão, justamente aquelas a quem ardilosa e esquematicamente são retiradas quaisquer possibilidades de chegarem à fase da decisão do troféu.

A eata prova tolhe-a o caseirismo de ser feita só para consumo interno, como se fosse uma romaria de verão, à moda do Minho, mas antecipada para o frio do carnaval - -ela denuncia um certo artificialismo, ainda que engenhoso, que lhe nega a genuinidade da adesão popular, muito por via de um arrivismo serôdio. Falta-lhe o lastro que só o caminho andado propicia: ela é ainda um tacteante processo em busca de uma identidade.

Sem proporcionar, por exemplo, o acesso ao vencedor a uma prova da UEFA, dificilmente esta prova-benjamim do calendário competitivo alcançará a tão almejada visibilidade: só existe o que se mexe e move no ecrã europeu, essa plataforma da fama. Ficar confinado ao jardim nas traseiras da Europa é aceitar ficar condenado pela certa à irrelevância desportiva.

O Presidente da Liga promete que sim, que em breve dará acesso a uma competição europeia, mas é duvidoso que a manigância da degola sistemática dos pequenos possa ser sancionada pelas instâncias que superintendem o futebol – que é descaradamente anti-democrático o figurino da prova. A operação estética da “final four” revelar-se-á, com a necessária colaboração do São Pedro, uma romaria promocional do futebol – e como é no Algarve, o mais certo é que haja estrangeiros a espreitar : um tiro certeiro. E no próximo ano, parece que querem levar essa final a quatro para a Madeira _ tudo a pensar na internacionalização.

Mas esta Taça tem um problema difícil de desatar> em nove edições foi ganha apenas por três clube, isto é, ela tem um histórico de monopólio, alguns, ressentidos, dirão de usurpação: o Benfica, só à sua conta, já leva sete conquistas – eis a grande razão e uma desajeitada e pouco convicta desacreditação e desvalorização desta linda taça. Enfim, todos se pelam por ganhá-la, mas só aparenta valorizá-la quem já saboreou a sua conquista. Assistimos, no fundo, a um conveniente exercício de hipocrisia competitiva: mas, “quem desdenha qualquer comprar” - lá diz o nosso povo.

José Antunes de Sousa é doutor em Filosofia pela Universidade Católica Portuguesa, professor visitante na Universidade de Brasília e professor convidado na Universidade Pedro de Valdívia, no Chile

NOTÍCIAS RELACIONADAS

comentários

0
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)

mais de ESPAÇO UNIVERSIDADE

Espaço Universidade O futebol, a política e todos os “universos” do país têm de começar a identificar principais responsáveis e atribuir-lhes as devidas sanções e penalizações. Só assim também poderemos valorizar a competência. O clima de guerra que o futebol atravessa,
Espaço Universidade Decorreu na Guarda o 2.º Congresso de Futebol do Instituto Politécnico da Guarda (IPG), dedicado ao debate em torno da aquisição de competências multidisciplinares para uma intervenção qualificada, que contou com aproximadamente 200 participantes. Su

destaques