SEGUNDA-FEIRA, 27-03-2017, ANO 18, N.º 6267
Eduardo Monteiro
Espaço Universidade
O Basquetebol português nos Torneios Pré-Olímpicos (artigo de Eduardo Monteiro, 3)
18:07 - 18-06-2016
Eduardo Monteiro
O Basquetebol nacional, devido aos constrangimentos da sua organização interna, não costuma ser notícia ao nível internacional, pelo que, quando surge uma informação prestigiante para a modalidade, temos de a divulgar para que daí resulte um motivo de satisfação.

O que aconteceu foi que a Federação Internacional de Basquetebol (FIBA), através de critérios muito rigorosos, selecionou os melhores árbitros de basquetebol dos cinco continentes para dirigirem as diferentes competições pré-olímpicas conducentes ao apuramento para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro 2016. Entre eles, encontra-se o prestigiado árbitro internacional português, de seu nome Fernando Rocha (46 anos e 20 de árbitro FIBA) que, uma vez mais, é reconhecido com distinção pelo organismo máximo do basquetebol a nível internacional. Ele está nomeado para actuar no torneio masculino de qualificação olímpica que se realiza na cidade de Belgrado - Sérvia. Trata-se de um reconhecimento para a nossa arbitragem que, numa situação muito difícil do basquetebol nacional, continua a marcar pontos no contexto internacional da modalidade.

Dos Países de Língua Oficial Portuguesa também foi nomeada a brasileira Andreia Silva (36 anos de idade e 4 de árbitro FIBA) para arbitrar jogos do torneio feminino de qualificação olímpica, enquanto o angolano Carlos Júlio (44 anos de idade e 18 de árbitro FIBA) e os brasileiros Locatelli (34 anos de idade e 6 de árbitro FIBA) e Cristiano Maranho (42 anos de idade e 18 de árbitro FIBA) foram designados para actuar nos Jogos Olímpicos RIO-2016.

Os Torneios FIBA-Masculinos de Qualificação Olímpica vão desenvolver-se com o seguinte calendário:

1.º Torneio: Belgrado – Sérvia (4 a 10 de Julho)
Países participantes: Angola, República Checa, Japão, Letónia, Porto Rico e Sérvia.

2.º Torneio: Manila – Filipinas (4 a 10 de Julho)
Países participantes: Canadá, França, Nova Zelândia, Filipinas, Senegal e Turquia.

3.º Torneio: Turim – Itália (4 a 10 de Julho)
Países participantes: Croácia, Grécia, Irão, Itália, México e Tunísia.
Destes 3 torneios serão apurados os países vencedores de cada um, que se irão juntar às nove selecções nacionais masculinas já classificadas directamente para os Jogos Olímpicos RIO-2016, cujo evento se realizará de 6 a 21 de Agosto.

Esclarece-se que foram apuradas directamente as equipas masculinas do Brasil (país organizador), USA (vencedor do Campeonato do Mundo FIBA-2014), Nigéria (vencedor do AfroBasket 2015), Venezuela (vencedor do FIBA Americas 2015), Argentina (finalista do FIBA Americas 2015), China (vencedor do FIBA Ásia 2015), Espanha (vencedor do EuroBasket 2015), Lituânia (finalista do EuroBasket 2015) e Austrália (vencedor do FIBA Oceania 2015).

Como se pode verificar, no basquetebol masculino são apuradas directamente para os Jogos Olímpicos 9 equipas: a primeira é sempre a do país organizador do evento, depois segue-se a selecção vencedora do Campeonato Mundial e as vencedoras dos 5 Campeonatos Continentais. Para além disso, os finalistas do EuroBasket e do FIBA America, atendendo ao elevado nível competitivo nestes dois continentes, também são incluídas na classificação directa para os Jogos Olímpicos. As restantes 3 equipas, para se completar o número máximo de 12, são apuradas através dos torneios de qualificação olímpica realizados entre as equipas melhor classificadas nos respectivos campeonatos continentais.

A competição masculina de basquetebol fez a sua estreia nos Jogos Olímpicos de Berlim em 1936 e, ao longo dos anos, a força dominante na modalidade tem sido a selecção dos USA que conquistou 14 medalhas de ouro, 1 de prata e 2 de bronze; segue-se a da extinta União Soviética 2 de ouro, 4 de prata e 3 de bronze; a da extinta Jugoslávia 1 de ouro, 4 de prata e 1 de bronze; a Argentina 1 de ouro e 1 de bronze e a Espanha com 3 de prata. Outros países medalhados foram a França e Itália com 2 de prata; Canadá e Croácia com 1 de prata; Brasil e Lituânia com 3 de bronze; Uruguai com 2 de bronze e Cuba, México e Rússia com 1 de Bronze.

Torneio FIBA-Feminino de Qualificação Olímpica
Nantes – França (13 a 19 de Junho)

Países participantes (12): Argentina, Bielorrússia, Camarões, China, Cuba, França, Coreia, Nova Zelândia, Nigéria, Espanha, Turquia e Venezuela.

Neste torneio de qualificação olímpica serão apuradas cinco selecções nacionais que se irão juntar aos sete países já classificados directamente para os Jogos Olímpicos RIO-2016, cujo evento relativo ao basquetebol feminino se realizará de 6 a 20 de Agosto.

Entretanto, já se encontram apuradas as equipas do Brasil (país organizador), USA (vencedor do Campeonato do Mundo FIBA-2014) e os vencedores dos cinco campeonatos continentais femininos FIBA-2015: Senegal (África), Canadá (Americas), Japão (Ásia), Sérvia (Europa) e Austrália (Oceânia).

Como se pode constatar os apuramentos directos destinam-se aos vencedores dos Campeonatos Mundial e Continentais a que se junta, sempre, a do país organizador do evento.

As senhoras só fizeram a sua estreia nos Jogos de Montreal, em 1976, e a selecção mais em destaque durante as diferentes participações tem sido, igualmente, a dos USA que conquistaram 7 medalhas de ouro, 1 de prata e 1 de bronze. Segue-se a da extinta União Soviética com 2 de ouro e 1 de bronze; da Austrália 3 de prata e 2 de bronze; Brasil, Bulgária, China e Jugoslávia com 1 de prata e 1 de bronze; França e Coreia do Sul com 1 de prata e Rússia 2 de bronze.

Eduardo Monteiro é ex-treinador do SL Benfica e das Seleções Nacionais

comentários

0
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)

mais de ESPAÇO UNIVERSIDADE

Espaço Universidade O Torneio Nacional de Basquetebol da Divisão I da National Collegiate Athletic Association (NCAA) é o mais importante evento do desporto universitário norte americano e u
Espaço Universidade Ontem, 24 de Março, dei uma palestra na Faculdade de Educação Física da Universidade de Brasília, algo que faço com relativa frequência e no âmbito da minha qualidade de

destaques