SEGUNDA-FEIRA, 27-03-2017, ANO 18, N.º 6267
José Neto
Espaço Universidade
Pré época – 3ª Parte (conclusão) (artigo de José Neto, 12)
19:00 - 07-08-2015
José Neto
Equipas em estágio em vários continentes; a problemática dos fusos horários; jogos e treino em altitude; resultados obtidos e possíveis consequências para o rendimento no futuro imediato, etc …

O prometido é devido. Deste modo, a questão das pré épocas com equipas a optar por estágios em vários continentes ou locais muito díspares; a problemática dos fusos horários; jogos e treinos em altitude; resultados obtidos e possíveis consequências para o rendimento no futuro imediato, será assunto a ser (embora de forma sucinta) evidenciado neste artigo de opinião.

Os clubes que à partida optam por efetuar alguns períodos de preparação fora do ambiente natural de trabalho, para além do aspeto económico, podem advir de outras componentes positivas a considerar, nomeadamente o reforço de uma missão coletiva, encorpando por vezes desafios ou atividades que não se confinam aos aspetos do treino propriamente dito, como a utilização de percursos e jogos energéticos onde o combate para a expressão máxima de conduta pode exigir no empenhamento para a cooperação, espírito de grupo, capacidade de interajuda resultando quantas vezes no reforço do grupo onde a identidade coletiva se vê amplamente reforçada.

É evidente que as condicionantes referidas nos artigos anteriores jamais poderão ser descuradas, nomeadamente o compromisso na participação de cada atleta no modelo de jogo, planificando e operacionalizando a dinâmica do treino por comportamentos ajustados às competências de cada qual.

As competições a ser realizadas devem ser de grau de dificuldade crescente, ajudando a construir um resultado positivo, gerando como consequência uma elevada qualificação dos índices de confiança e mesmo a criação de uma onda apoteótica em que a forma de vencer se vê positivamente partilhada. Essa causalidade do resultados em êxito, poderá originar por outro lado uma tomada de consciência mais operativa no sentido de otimizar o alcance do sucesso no futuro imediato, funcionando como fio condutor de ambição motivacional que poderá influenciar a performance no arranque da época, propriamente dita, pois sabemos que o comportamento dos jogadores após os êxitos conseguidos, são distintamente diferentes após as frustrações obtidas.

Não esquecer contudo, que esse eixo mediador da consciência onde se operam os êxitos em jogos numa pré época, devem merecer uma notória referência avaliativa, cuja validade apenas será exprimida na confirmação desses mesmos êxitos nas competições oficiais que se lhe seguem. Quero com isto dizer que um “embandeirar em arco” em jogos numa pré época com vitórias substancialmente conseguidas também pode funcionar como “uma faca com dois legumes” (como dizia com certa graça o meu bom amigo ex jogador e grande treinador Jaime Pacheco), caso não se veja incorporada a matriz da humildade por onde passam todos aqueles que fazem das causas do sucesso uma oportunidade para ouvir e corrigir, transpirando rigor no uso da disciplina e aproveitando toda a sua energia ao serviço da equipa, como um todo.

Outro assunto de importância a referenciar, será a seleção dos locais de estágio. Verifica-se que por vezes certas equipas realizam estágios em locais com altas temperaturas e onde o grau de humidade se torna quase insuportável, provocando uma maior quantidade de suor na tentativa do arrefecimento orgânico já que a circulação sanguínea e respiração pode subir até 20% de fluxo cardíaco (cerca de 4 vezes mais em situações normais), a média de perda de peso que no decorrer de um jogo ronda os 4% do peso total do futebolista , pode atingir os 8 a 10% e o aumento dos lactatos para 2 vezes mais do que em situações normais, necessariamente fazem anteceder os efeitos da fadiga. Descurando-se os aspetos de uma aclimatação prévia, ou a ausência de possíveis alterações nos métodos de treino que deve ser devidamente reestruturado, o descanso operacionalmente eficaz e a capacidade nutricional necessariamente assimilada, poderão ocasionar-se alguns sintomas induzidos pela fadiga, como dissemos derivada das alterações bionergéticas e poderemos estar perante um ou outro síndrome com o aparecimento de lesões de ordem músculo esquelético e funcional.

Associadas às condições atmosféricas, ainda se verifica (para além das vantagens estrategicamente consolidadas no potencial do markting que o clube capitaliza de forma altamente qualificada), o caso de equipas que efetuam treinos e jogos em altitude. Sabe-se neste capítulo que as condições de trabalho em altitude, onde devido a uma diminuição de pressão e densidade atmosférica e correspondente diminuição da capacidade de concentração de oxigénio no sangue, faz desencadear uma incapacidade relativa de fornecimento aos tecidos, provocando um aumento de frequência cardíaca e profundas alterações de pressão arterial e consequente grau de dificuldade na execução plena que as condicionantes do treino exige. Em termos gerais, em altitude de forma pronunciada ( a partir dos 850m), a força da gravidade diminui, a capacidade de utilização de oxigénio (esta fonte de energia está muito diluída), obriga o atleta a aumentar de forma notória o seu ciclo respiratório para o esforço a prestar, sendo os processos de recuperação muito mais lentos, logo, vendo-se antecipado os processos que conduzem à fadiga. Por outro lado, também se obtêm algumas vantagens no que se refere à assimilação de movimentos que requerem um alto grau de coordenação, permitindo inclusive ver-se aumentadas as possibilidades de aquisição dos níveis de força e velocidade e algumas boas adaptações no que concerne aos exercícios sob o domínio da resistência. Em termos gerais podemos inclusivamente dizer que a capacidade bioenergética pelo aumento de fixação de hemoglobina no sangue, permite maior adaptação do sistema aeróbico do fornecimento de energia. Inclusivamente até há quem use o treino em altitude para melhoria da capacidade de resistência, pois o consumo máximo de oxigénio pode ver-se aumentado entre 10 a 22%. Claro que isso implicaria estar 12 a 18 dias de treino em altitude com valores situados entre 2000 e 2400 metros …claramente impossível no futebol, dada a necessidade de repetir estes ciclos de treino várias vezes no decorrer da época, além do que os processos de readaptação para a obtenção da performance a este nível se tornam gradualmente lentos.
Ainda neste âmbito, gostaria de referir que o treino em altitude, sendo importante para desportos que impliquem o uso da capacidade de resistência, traz mais prejuízos do que benefícios nos desportos onde a predominância do sistema anaeróbico é mais solicitado, como é o caso do Futebol. Nesse sentido, o melhor será treinar ao nível do mar e simular o descanso (dormir) em altitude, como e muito bem fez o nosso selecionador Carlos Queirós na preparação para o Mundial 2010 na África do Sul, quando treinava numa 1ª fase na Covilhã. Outro dos recursos que poderá ser utilizado, será o uso de câmaras hiperbáricas para o efeito pretendido, no entanto o seu alto valor comercial, por vezes é um fator impeditivo.


Por último, uma referência a equipas que realizam a periodização e planificação dos treinos numa pré época em locais distantes e que obrigam a uma adaptação dos ciclos circadianos que a travessia dos diversos fusos horários (jet lag), fazem implicar. Sabe-se que, no que respeita à adaptação do organismo do atleta em relação ao fuso horário, importa anotar uma dissuasão dos ritmos diários das funções psicofisiológicas correspondentes a 1 dia por cada fuso. A título de informação complementar neste âmbito, importa referir que o desenvolvimento de adaptação é variado e determinado pelas capacidades individuais de cada atleta. Há autores que definem como regra, que a hora de dormir e acordar normaliza de 1 a 5 dias, a enquadrar a atividade intelectual e psicomotora e 7 a 10 dias uma excelente resposta a demais capacidades, nomeadamente ao nível da resistência. Mas é claro que existem metodologias de treino, quer para prevenir, quer para tratar os efeitos ou sintomas deste síndrome de mudança de vários fuso horários, quer antes do voo (ajustando a hora de acordar), durante o voo (hidratando e efetuando exercitação isométrica seguida de alongamentos) e após a chegada (cargas de treino de fraca intensidade … ), questões que hoje felizmente são superiormente resolvidas e administradas por equipas de metodólogos e fisiologistas de elevada competência.

Não gostaria de fulanizar esta questão nas equipas que partem para a época que se vai iniciar e que utilizaram algumas das metodologias referenciadas. Parece-me contudo, pelo que me tem sido dado a conhecer que o F.C.Porto parte em grande vantagem neste âmbito, pois realiza uma primeira fase no exterior em locais já conhecidos e de ambiência reforçada pelas condições criadas e por mim referidas. Regressa ao fim dum tempo de ausência curto no sentido de realização de avaliações preliminares, tendo a oportunidade de conviver com as famílias, vendo solidificados os laços de afeto fundamentais que o eixo familiar pode e deve congregar. Parte para uma 2ª fase com aceleração dos processos de exigência competitiva e cujos resultados oferecem autenticidade pela competência com que se viram conferidos.
Igualmente o Sporting, embora em condições climatéricas mais hostis, conseguiu efetuar a expressão das sua componentes competitivas com sucesso.
O S.L.Benfica é um caso de estudo que importa acompanhar. Naturalmente já assumido pelos seus responsáveis que para além dos aspetos positivos de uma exploração de imagem de marca vencedora e retirando daí efeitos muito positivos de ordem económica, no que respeita aos aspetos do planeamento de uma pré época e por aquilo que anteriormente eu referi … podem retirar as respetivas conclusões, pois não ma atrevo a fazê-lo. O respeito pelo meu amigo treinador e sua equipa técnica de competência exercida (não esqueço a presença de um metodólogo fisiologista que como meu aluno que foi na Faculdade, também será sempre para mim uma bandeira), reconheço que serão capazes de encontrar as melhores soluções para o que previamente lhe foi na programação, apresentado.
Até porque estamos a falar de Futebol e por vezes acontecem coisas admiráveis que um qualquer processo científico ainda não tem uma devida explicação.
A capacidade humana para se superar é fenomenal. Por vezes existem momentos nas equipas que encontram na adversidade um autêntico estímulo, fazendo desencadear uma força mobilizadora onde se desperta um enorme empenho coletivo … ali mesmo, contrariando as leis da natureza, passa a habitar o sucesso.
Após os primeiros relatos conferidos nos rendimentos das equipas e autenticados nos resultados, poderá ser o próximo desafio pessoal que terei de enfrentar com a humildade, a alegria e a honra em o descrever para os meus admiráveis leitores.
Até lá … VIVA O FUTEBOL!...

José Neto
Metodólogo de treino Desportivo
Mestre em Psicologia Desportiva
Doutor em Ciências do Desporto/Futebol
Formador de Treinadores F.P.F. – U.E.F.A.
Docente Universitário

comentários

0
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)

mais de ESPAÇO UNIVERSIDADE

Espaço Universidade O Torneio Nacional de Basquetebol da Divisão I da National Collegiate Athletic Association (NCAA) é o mais importante evento do desporto universitário norte americano e u
Espaço Universidade Ontem, 24 de Março, dei uma palestra na Faculdade de Educação Física da Universidade de Brasília, algo que faço com relativa frequência e no âmbito da minha qualidade de

destaques