SEGUNDA-FEIRA, 24-07-2017, ANO 18, N.º 6386
Professor Manuel Sérgio
Ética no Desporto
O empréstimo de jogadores é compatível com a ética? (artigo de Manuel Sérgio, 82)
16:30 - 01-05-2015
Manuel Sérgio
Embora envolta em brumas teimosas, a ideia de que o Desporto deverá converter-se num projeto antropológico global, parece-me atual e...absolutamente necessária! Como a contextualização personalista de Mounier e Ricoeur (cfr. Paul Ricoeur, Gabriel Marcel et Karl Jaspers, prefácio da primeira edição, pp. 11/12), onde a filosofia, para o pensador responsável, deverá praticar-se à luz de um sério compromisso na transformação da sociedade, também o Desporto, para o praticante (seja ele treinador, atleta ou dirigente) de visão lúcida, informada do que faz, deverá contribuir ao nascimento de um novo ethos individual e social. Desde o seu nascimento, nos princípios do século XIX, como prática pedagógica institucionalizada - desvinculado de uma clara orientação moral, não há desporto.

Vejamos o que se passa, com o empréstimo dos jogadores de futebol. De acordo com os regulamentos vigentes, em Portugal o empréstimo é permitido, só que, depois, não se dá a mínima importância aos acordos assumidos e ao que, legalmente, se estabeleceu. É um velho vício português: a nossa legislação imita as mais progressistas da Europa, mas são poucos os agentes (incluindo os políticos) que a respeitam e a cunprem. E o fenómeno não parece ser de caráter unicamente subjetivo.

“Mesmo que a sua interpretação se considere discutível, pode ser verificado objectivamente, por meio de indicadores quantitativos, sobretudo quando se comparam os seus dados com a realidade dos países centrais, por um lado, ou periféricos, por outro. É preciso também observar que eles se traduzem, por meio de comportamentos individuais do género dos que foram observados, por exemplo, por Jorge Dias e que, antes dele, foram também apontados por muitos outros autores, como típicos da maneira de ser dos portugueses, pelo menos desde o século XVI” (José Mattoso, A identidade nacional, Fundação Mário Soares-Gradiva, Lisboa).

Nas suas aulas (foi meu professor de Etnologia, na Faculdade de Letras de Lisboa) Jorge Dias caracterizava o português como “um misto de sonhador e de homem de ação, ou melhor, um sonhador ativo a que não falta certo fundo prático e realista. É por isso mais idealista, emotivo e imaginativo do que homem de reflexão”. Seja como for, fazer desporto é um pretexto para corporizar valores de imperecível valor humanista. O Dr. Joaquim Evangelista, presidente do S.J.P.F., um seguro e prestante amigo dos jogadores, defende que “os jogadores emprestados devem manter todos os direitos que já usufruíam no clube emprestador e portanto devem poder jogar sempre. Assim o determina a lei” E remata, com voz queixosa: “Por que não se cumpre a lei`”.

E, querendo expurgar o futebol de mais uma anomalia, continuou: “do ponto de vista da valorização do jogador não é bom para ele não poder competir sempre, pois é jogando que poderá desenvolver todas as suas virtualidades”. José Carlos Lima, o sóbrio e zeloso responsável pelo P.N.E.D., e que encetou uma campanha em prol da ética no desporto, que nunca será em demasia realçar – José Carlos Lima sustenta que “está em causa um dilema ético, que só poderá ultrapassar-se, se os clubes, os adeptos, os jogadores saibam sempre com o que contam”.

E sintetiza: “É preciso que se cumpram os regulamentos. Sem subterfúgios!”, no entanto, acrescenta “ Temos de pensar no clube que empresta (…) e nos jogadores em causa que nunca estão totalmente livres para dar tudo por tudo como lhe é exigido” (Sol 10.4.15). O PNED existe, de modo muito particular, para que se protejam os jogadores, os praticantes de tudo o que possa obstaculizar a sua realização pessoal e profissional. Mas isto pouco interessa a algumas pessoas que, neste caso (como noutros), não cessam de rufar o tambor dos seus interesses... bem pouco éticos! Em sociedades de mercado, onde a Ética pouco vale, diante de um economicismo absorvente, neste mundo, onde ainda se brande a máxima: “Si vis pacem, para bellum” (Se queres a paz, prepara a guerra) – os regulamentos, a lei, a moral até parecem coisas ridículas! Infelizmente!

Segundo outra máxima latina, Pessima Republica, plurimae leges (traduzindo: o pior Estado é o que tem muitas leis). No desporto português, não há falta de leis mas, como afinal na sociedade hodierna, há falta de valores. “Valor é aquilo que vale por si mesmo: Exemplos de valores são o bem, o belo, o justo. Porém, um valor só o é, quando interiorizado por alguém que o assume como algo que vale para si mesmo. À assimilação de um valor corresponde a sua qualificação – passando o valor, a partir desse momento, a orientar as ações do indivíduo.

Se considerarmos a atual crise financeira, temos que convir que esta tem, na sua base, uma crise de valores – muitos quiseram ganhar muitíssimo e depressa, à custa e prejuízo de uma grande maioria. Uma sociedade a que faltam os valores corre o risco de desmoronar-se” (Jacinto Jatdim e José Eduardo Franco, Portugal Empreendedor, INCM. Lisboa, 2013, p. 24).

Vale a pena reler a propósito o Código de Ética Desportiva, editado pelo Instituto Português do Desporto e da Juventude: “Nos dias de hoje, o desporto deve ser, cada vez mais, uma verdadeira Escola de Liberdade e uma autêntica Escola de Cidadania (…). A ética desportiva é uma prática condicionada pelas atitudes e convicções dos intervenientes. O exemplo é o principal instrumento de formação ao dispor de quem quiser multiplicar o número dos que agem segundo esses valores” (p. 8).

Ora, a Liberdade e a Cidadania não se promovem, quando se põe entraves ao exercício, em plenitude, da profissão do jogador de futebol. E volto ao Código de Ética Desportiva: é preciso “evitar qualquer situação que possa levar a conflito de interesses. Entende-se por conflito de interesses, quando (os agentes desportivos e os empresários) têm, ou aparentam ter, interesses privados ou pessoais, que coloquem em causa a integridade e a independência, no exercício das suas funções” (p. 23).

É neste sentido, como Provedor da Ética no Desporto desejo contribuir para o “debate” e esclarecimento da “utilização ou não de jogadores emprestados”. Como afirmamos existe aqui um problema ético que vai para além do direito, pois como sabemos nem tudo que é legal é ético. Defender aplicação da lei, não significa que a mesma seja ética, como por ex. cobrar impostos pode ser legal mas cobrar a partir de um determinado valor pode ser eticamente reprovável. No caso, de um jogador que é emprestado a um clube e é pago, muitas vezes, pelo “clube mãe” no nosso entender, não deveria poder jogar contra o clube que lhe paga o seu ordenado. Isto para proteger o próprio jogador. Este jogador por mais profissional que seja não é totalmente “livre” e está “condicionado” quando joga contra o “clube mãe”.

Nesta perspectiva existe aqui um dilema ético, se por um lado a equipa que empresta o jogador entende que este não deverá jogar contra si, por outro, a equipa que acolhe o jogador quer utilizá-lo. Ambos os interesses são legítimos, contudo estamos perante um conflito de interesses ou um dilema. Acresce o incumprimento dos regulamentos da Liga, pois é comum estes jogadores não estarem disponíveis para jogar contra o “clube mãe” por causa de “lesões“ ou “indisposições” de última hora.

Assim, somos de parecer que se deverá seguir a prática da Liga Inglesa que proíbe a utilização de jogadores emprestados em jogos entre a equipa que empresta e a equipa que acolhe o jogador, tudo para defender o próprio jogador. Julgamos ser o critério mais correcto e transparente de acordo com os preceitos do Código de Ética Desportiva.

Manuel Sérgio é Professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana e Provedor para a Ética no Desporto

NOTÍCIAS RELACIONADAS

comentários

0
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)

mais de ÉTICA NO DESPORTO

Ética no Desporto No magistério crítico que o Padre Manuel Antunes, durante longos anos exerceu na vida intelectual portuguesa, as suas aulas de História da Cultura Clássica, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, foram talvez as que mais fama lhe granjear
Ética no Desporto O texto «Pistas diferentes, a mesma meta», de Ana Carolina Ferreira Sequeira (Escola Secundária da Maia), é o 3.º classificado da 5.ª edição do Concurso Literário ‘Ética na Vida e no Desporto’, promovido pelo Instituto Português do Desporto e Juventu

destaques