SEXTA-FEIRA, 29-05-2015, ANO 16, N.º 5599
Cristiano Ronaldo
Espanha
«Ronaldo preocupa mas vamos manter o estilo», diz adjunto de Del Bosque
15:17 - 24-06-2012
Toni Grande, treinador adjunto de Vicente del Bosque na seleção da Espanha, admite que as preocupações acrescidas por defrontar Cristiano Ronaldo nas meias-finais não vão implicar mudanças no estilo de jogo da “roja”.

«Alterações? Não creio. O nosso estilo vai manter-se. Vamos insistir na nossa forma de jogar mas, sem dúvida, enfrentar Ronaldo é uma preocupação evidente. É forte fisicamente, um goleador, mas vamos conservar o nosso estilo, oxalá, por mais um jogo», disse citado pelo jornal AS.

O técnico também não espera alterações na equipa devido ao desgaste físico dos jogadores espanhóis, que terão menos dois dias de descanso que os portugueses para a meia-final de quarta-feira: «É um pouco cedo para falar nisso, mas não creio que existam dúvidas. Vamos esperar pelo próximo treino.»
Redação

comentários

0
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)

mais de ESPANHA

Espanha O Sevilha não deu hipóteses ao Córdova. A equipa de Daniel Carriço recebeu o penúltimo da Liga espanhola e não facilitou. Krychowiak fez o primeiro golo da partida (38’)
Espanha O extremo Heldon (cedido pelo Sporting) estreia-se entre os convocados do Córdova para a partida frente ao Celta. A Liga espanhola já recebeu o certificado de Heldon e

destaques

Um soco e uma prisão, um rapto e uma fuga (e ainda mais espantos na viagem em torno do primeiro tri que a Taça de Portugal teve, o do Sporting...)
Do Passado para o Presente Três vitórias seguidas, ninguém o conseguira antes do Sporting, na Taça de Portugal. Esta é uma viagem por esses anos dourados – mas uma viagem a muito mais do que o futebol era, o futebol foi... Antes das três seguidas, que até poderiam ter sido quatro se a FPF não tivesse riscado do calendário a edição de 1946/47, a primeira vitória do Sporting na Taça de Portugal foi numa temporada histórica, na temporada de 1940/41. Ganhou-a ao Belenenses nas Salésias, que era o campo do Belenenses: 4-1 – e antes já ganhara o Campeonato de Lisboa e o Campeonato Nacional da I Divisão. Sombra houve apenas na tesouraria, o futebol deu prejuízo, um prejuízo de 80 contos, as receitas andaram pelos 238, as receitas pelos 318. 160 contos foram para pagar ordenados aos jogadores, que, no Relatório e Contas, se tratavam hipocritamente como: «assistência aos futebolistas». A Joseph Szabo, o treinador, couberam 28.850 escudos durante o ano. E não foi mais porque aceitara baixar o salário global em três contos por... «amor leonino». (Pelos jornais havia publicidade aos rádios Philips 141 Super 4 com imagem de Fernando Peça, «o locutor português da BBC», cada um custava 750 escudos. E as mulheres de limpeza recebiam por um dia inteiro de trabalho 120 escudos por mês...) 750 escudos de ordenado para Peyroteo, mas só se não houve multa, a multa... A «assistência» a Fernando Peyroteo, a estrela da equipa, rendia-lhe mensalmente 750 escudos por mês – mas para que fossem mesmo 750 escudos não podia sofrer nenhuma multa de Szabo, os seus famosos: - diez per ciente, os dez por cento do ordenado por um minuto que fosse de atraso ao treino, os dez por cento se, na ronda da noite, os jogadores não estivessem em casa – os dez por cento por cento por falta de empenho em jogo e outras coisas assim. Ainda no FC Porto, ainda antes de vir para o Sporting, lembrou-se de aplicar o «cástigo» (como ele dizia...) aos avançados que, no treino, chutassem isolados dentro da área e não fizessem golo! Não era só o Sporting que multava, a polícia também e por causa de um isqueiro no Rossio Peyroteo perdeu mais de meio mês de ordenado No país também havia a psicose do castigo e da multa – e às vezes ridícula. Um exemplo: o governo lançou decreto impedindo o uso de isqueiro «debaixo de telha». Sem o dizer era medida para proteger a empresa nacional dos fósforos – que até tinha uma grande equipa de futebol: Os Fósforos. Para utilizá-lo era preciso livrete idêntico ao de porte de armas, custava 50 escudos. Os denunciantes do delito recebiam 15% da coima que poderia chegar a 250 escudos – e se o «delinquente» (era assim que estava no texto do decreto!) fosse funcionário do Estado, civil ou militar, a multa era elevada ao dobro. (250 escudos custava, por essa altura, segundo anúncio do Diário de Lisboa, um fato tipo sport, casaco e calça, da Alfaiataria Imperial, na Rua Augusta...) Quando Peyroteo se tornou capitão da seleção deram-lhe, como lembrança, um isqueiro. Uma vez, à saída do trabalho, no Grémio das Carnes, no Rossio, passou-o a um colega, para que acendesse o cigarro. Um polícia abeirou-se para apreender o... «móbil do crime», apesar de não ter feito chama. Gerou-se levantamento popular – e Peyroteo pediu ao agente que lhe passasse a multa depressa, que tinha mais que fazer. Passou. De 400 escudos. E nem sequer voltou atrás quando o jogador lhe mostrou que o isqueiro não tinha gás... ...
Do Passado para o Presente A polícia, dizendo o que disse, adensou ainda mais o mistério, o mistério da morte de Joaquim Ferreira, o treinador do Sporting que, dias antes, ganhara a Taça de Portugal ao Olhanense, a última que se disputou no Estádio das Salésias. Isso lhe contamos, contando também o que ganhou Jesus Correia por ter marcado um golo depois de ter andado quase todo o jogo a coxear e o que perdeu Fernando Cabrita depois de ter regressado ao quartel a chorar... Por Lisboa, havia, entre muitos outros colados em muros e paredes por agentes do SNI, cartazes que diziam: «A Europa é um montão de ruínas. A miséria devasta a maior parte dos países. O inverno que se avizinha ameaça os povos com a fome, o frio, a morte. Entretanto em Portugal há ordem, a vida decorre tranquila, há pão e apesar de três anos agrícolas péssimos não se morre de fome». (Havia mais, havia outros – e ainda mais salazarentos e fervorosos na criação do mito...) Um corpo estendido, um fato esfrangalhado no olhar da mulher que apanhava trapos... Não longe de propaganda assim, uma mulher apanhava trapos dos montículos de lixo, no Parque Eduardo VII. De um olhar furtivo, saltou-lhe um corpo estendido, com o fato esfrangalhado, cheio de sangue. Chamou, aflita, o polícia de turno. Na carteira, descobriu-se um bilhete de identidade um cartão de sócio do Sporting e outro de fiscal das obras das auto-estradas. Arranhaduras e um dedo espalmado logo se tomaram por sinais de que antes do golpe que lhe atingira o coração, tinha havido luta. O corpo encontrado de Joaquim Casemiro Rodrigues Ferreira, o Joaquim Ferreira que, como treinador do Sporting, dias antes, a 1 de julho de 1945, ganhara a Taça de Portugal ao Olhanense. Fora do Setúbal para o Sporting em 1920. Tinha, então, 20 anos - e com Jorge Vieira fez parelha histórica no clube e a seleção, era o «back» direito. Tendo perdido, entretanto, o lugar na defesa para José Leandro, em 1926/27 pediu que o deixassem regressar ao Vitória, com ele foi Torres Pereira, que tornara já, também, outro símbolo no Lumiar. Ficara no lugar de Szabo a ganhar 1800 escudos por mês (não dava nem para comprar uma bicicleta...) Ferreira deixou de jogar em 1933 – e em janeiro de 1945 o Sporting chamou-o para adjunto de Joseph Szabo. Ganharam o Campeonato de Lisboa – alargando o recorde de vitórias do clube na competição para 17 – mas o início do Campeonato Nacional da I Divisão foi em contradança, perdendo com o V. Setúbal, o FC Porto e o Benfica, razão porque em abril Szabo foi despedido, passou Ferreira a treinador principal, a troco de 1800 escudos por mês. (Era o tempo em que uma bicicleta custava 1990 escudos – e um «casaco de patas de raposa e punhos de lobo» andava pelos anúncios dos Armazéns do Chiado por 6500 escudos...) Joaquim Ferreira acertou o passo ao leão, conseguiu ainda fechar o campeonato em segundo lugar, a três pontos do Benfica – e na Taça de Portugal eliminou o FC Porto (graças a vitória por 4-1 no Lima...) e o Benfica, dos benfiquistas desembaraçou-se ao terceiro jogo, mesmo sem Fernando Peyroteo, que, na segunda mão fora expulso por ter dado um soco a Gaspar Pinto. ...