DOMINGO, 02-08-2015, ANO 16, N.º 5664
Cristiano Ronaldo
Espanha
«Ronaldo preocupa mas vamos manter o estilo», diz adjunto de Del Bosque
15:17 - 24-06-2012
Toni Grande, treinador adjunto de Vicente del Bosque na seleção da Espanha, admite que as preocupações acrescidas por defrontar Cristiano Ronaldo nas meias-finais não vão implicar mudanças no estilo de jogo da “roja”.

«Alterações? Não creio. O nosso estilo vai manter-se. Vamos insistir na nossa forma de jogar mas, sem dúvida, enfrentar Ronaldo é uma preocupação evidente. É forte fisicamente, um goleador, mas vamos conservar o nosso estilo, oxalá, por mais um jogo», disse citado pelo jornal AS.

O técnico também não espera alterações na equipa devido ao desgaste físico dos jogadores espanhóis, que terão menos dois dias de descanso que os portugueses para a meia-final de quarta-feira: «É um pouco cedo para falar nisso, mas não creio que existam dúvidas. Vamos esperar pelo próximo treino.»
Redação

comentários

0
Imprimir Enviar e-mail Facebook Twitter
Faça um comentário (máx: 300)

mais de ESPANHA

Espanha A antiga estrela do Real Madrid e da seleção brasileira, Roberto Carlos, defendeu que a FIFA precisa de uma mudança clara e que o português Luís Figo terá o perfil necessário para assumir a presidência da FIFA. «A FIFA precisa de uma cara nova, um jovem e com ideias frescas. Alguém que mude aquilo que pensamos do organismo, que está um pouco desfasado. Essa pessoa pode ser Figo, que juntamente com Robben e Cafú foram os três jogadores com os quais tives mais problemas em campo. O mais rápido
Espanha O Sevilha não deu hipóteses ao Córdova. A equipa de Daniel Carriço recebeu o penúltimo da Liga espanhola e não facilitou. Krychowiak fez o primeiro golo da partida (38’) e minutos depois Bacca aumentou a vantagem. Para o segundo tempo, o Córdova fez mudanças e o português Bebé - emprestado pelo Benfica aaté final da época- foi opção. Ainda assim, quem marcou novamente foi a equipa de Daniel Carriço. Iborra fechou o marcador ao apontar o terceiro do encontro (76’). Com este resultado o Sevil

destaques

Estrela de Diamante A Eusébio Cup é no México e no México viveu Eusébio uma parte atribulada da sua aventura pela América. Não, não foi só como jogador do Benfica – foi, sobretudo, quando deixou de ser jogador do Benfica. Essa é a história que aqui se conta – por entre tantas, tantas, outras. E é assim que se fecha uma viagem fantástica pela sua vida – de Mafalala ao Panteão... Ainda não tinha sequer levado pelo seu fascínio o Benfica a bicampeão europeu nos 5-3 ao Real Madrid em Amesterdão e já Eusébio tinha o mundo a seus pés. Wolf Lyberg, jornalista sueco do IB-Idrotsbladet, que já se encantara com os «três golos magníficos que pareciam tiros de canhão» que marcara em Paris ao Santos de Pelé, na primeira vez em que defrontara o Santos e o Pelé, escreveu: «Para mim, para o planeta, Eusébio ganhou um novo nome: Eusébio Navarone, Navarone como os canhões». 3000 contos eram 3000 contos, sobretudo depois do que perdeu... Pois, se a fama chegara cedo, a fortuna nem por isso: - Fomos campeões, campeões de 1974/75, e o Benfica libertou-me, enfim, para eu ir à minha vida. No fundo, para eu recuperar o que tinha perdido ao longo do tempo para não deixar o Benfica, para recuperar o o que tinha perdido em Moçambique: com a independência, os gajos nacionalizaram tudo o que eu lá tinha: casas, terrenos – e quem mo tirou foram os gajos com quem eu tinha andado na escola, com quem eu tinha crescido em Mafalala, jogado à bola em Mafalala. Sim, era um homem rico, mas rico por aquilo que tinha ganho na bola mais do que pelos apartamentos e terrenos. Parti e senti logo saudades do Benfica, mas 3000 contos eram 3000 contos... (Era muito? Depende. Por essa mesma altura, Yazalde trocara o Sporting pelo Marselha por 12 500 contos...) Cunhal não queria eleições, mas houve... Vasco Gonçalves, o Primeiro Ministro do PREC, começara, entretanto, a tropeçar nos seus devaneios: - Não podemos perder por via eleitoral aquilo que tanto tem custado ao povo, a revolução. e Álvaro Cunhal deu-lhe aconchego: - As eleições não têm nada ou têm muito pouco a ver com a dinâmica revolucionária, Portugal nunca terá uma democracia burguesa. O MFA não cedeu às pressões e aceitou que se fizessem as eleições para a Assembleia Constituinte. estavam marcadas para Foram a 25 de Abril de 1975. Ganhou-as o PS. A 25 de Abril de1975 fizeram-se, enfim, mesmo contra o desejo de Álvaro Cunhal e do PCP, as eleições livres. O República titulou: «Às 4 da manhã já havia eleitores nas portas das assembleias de Lisboa». Depois, ao longo do dia, um pouco por todo o lado, viu-se gente, muita gente, várias horas em bichas à espera de colocar na urna boletim feito em papel oferecido pela Suécia, numa delas, um repórter apanhou de Olinda Alcobia: - Tive de deixar a minha menina de 4 anos sozinha em casa, mas eu tinha de votar, tinha de aproveitar a liberdade, esta coisa maravilhosa que o 25 de Abril deu ao povo A seguir às eleições, a notícia foi: 80 mil dólares para Eusébio... O PS elegeu 115 deputados, o PPD 80, o PCP 30, o CDS 16 e o MDP/CDE 5 – e nem Artur Jorge pelo MDP/CDE, nem António Simões, pelo CDS, conseguiram lugar em São Bento – e no dia seguinte por entre o frenesim que o ato causou pelos jornais, anunciou-se que os Oceaneers de Rhode Island acordara contrato de 80 mil dólares (que eram, então, cerca de 2000 contos...) com Eusébio – e o seu presidente ainda disse mais: - É um compromisso por 12 meses, pagáveis a 200 contos por cada 30 dias... Ainda não se sabia se o Benfica o dispensaria ou não (Simões já se sabia que sim...) e, por isso, num sinal desses novos tempos, no Diário de Lisboa escreveu-se: «Afastados da selecção nacional e perto do ocaso das suas carreiras, temos de convir que a proposta é deveras tentadora. Isso mesmo o deverá reconhecer o Benfica, cujos dirigentes não deixarão de seguir, em relação a Eusébio, o mesmo critério que adoptaram no caso Simões, autorizando-o igualmente a sair do Benfica. Privar o jogador de aproveitar esta oportunidade seria um grave atropelo ao sagrado direito ao trabalho que não estaria nunca no espírito dos dirigentes do Benfica...» Estados Unidos perderam o Vietname, Eusébio ganhou a América... Cinco dias depois, na capa do República havia notícia de que a peça Três Marias subira a cena em Washington – e a manchete era a que contava o fim da Guerra no Vietname com a derrota dos americanos. E sim, já se sabia também que sim – que Borges Coutinho aceitara desligar Eusébio do contrato que ainda tinha com o Benfica para poder «ir ganhar a vida» à América... ...
Estrela de Diamante Com Eusébio pelos Estados Unidos, Portugal começou, devagarinho, mas agitado, a desfazer-se do Verão Quente que se atiçara quando ele para lá foi. Nas festas do 1º de Maio de 1975, o PCP proibira Mário Soares, o líder do partido que ganhara as eleições de discursar. O PS pediu ao FC Porto as Antas e no comício que lá fez pela «democracia de verdade» estiveram 50 mil pessoas. Arrastou mais 100 mil para a manifestação da Fonte Luminosa, apesar de o COPCON, a força militar comandada por Otelo Saraiva de Carvalho, ter levantado barragens à entrada de Lisboa – e Costa Gomes, o Presidente da República que substituíra António de Spínola, percebeu o destino a mudar: - O povo já não está com o MFA... Cocktails molotov e o fim do PREC do filho do treinador campeão no Benfica O PCP ainda fez em Montemor-o-Novo ação para exortar à «defesa da revolução, custasse o que custasse», ensinou aos seus militantes o fabrico de cocktails molotov – mas a 12 de Setembro de 1975 o gonçalvismo, esse frenesim radical sob o signo de Vasco Gonçalves, o filho de Vítor Gonçalves que fora o primeiro treinador a fazer do Benfica campeão, apagou-se. Tinham sido mais do que 452 dias quentes – 452 dias avassaladores. O tio-avô de Bruno de Carvalho e a fumaça das bombas a rebentar... Com a inesperada bênção de de Otelo e o arrimo do PS e PPD foi Pinheiro de Azevedo a Primeiro-Ministro. Por essa altura já tinha um sobrinho-neto chamado... Bruno, Bruno de Carvalho – e sim, é mesmo esse: o presidente do Sporting! No seu governo pôs Melo Antunes, Salgado Zenha e Almeida Santos (que fora jogador de voleibol da Académia, tal com Adriano Correia de Oliveira, o cantor). Quatro dias após a posse deficientes das forças armadas desaguaram em Belém e deixaram o governo sequestrado seis horas, o restabelecimento da ordem coube aos comandos da Amadora de Jaime Neves. Era ainda o tempo das manifs e das contra manifs – e a 9 de Novembro convocou-se para o Terreiro do Paço uma a favor do governo. De súbito, a atemorizar quem lá estava, rebentaram bombas do PRP e granadas de fumo da Polícia Militar – e Pinheiro de Azevedo da varanda do palácio bradou: - É só fumaça, o povo é sereno! Os deputados à fome, o governo em greve...Nem 72 horas passaram – e trabalhadores da construção civil entrincheiraram-se junto à Assembleia Constituinte. Vaiaram Pinheiro de Azevedo. Que exigiu a Otelo brigada do COPCON para desfazer o cerco ao Parlamento, ele não lhe obedeceu. 36 horas ficaram deputados à fome, queixaram-se. (Os do PCP não, puderam entrar e sair, vitoriados, aclamados.) Cá fora, gritou-se, vezes sem conta: - Pinheiro de Azevedo fascista... fascista... fascista... até que ele, explosivo, retrucou: - Vão à bardamerda... Bardamerda para o fascista... Da Avenida da Liberdade com betoneiras e tractores de reboque das zonas da Reforma Agrária largou, depois, a «manifestação unitária popular». Desembocou no Terreiro do Paço e na mensagem que enviou para ser lida por um soldado, Otelo, afirmou que o Terreiro deixara de ser do Paço, passara a ser do Povo - e exortou trabalhadores e militares a avançarem para a «revolução socialista». Pinheiro de Azevedo respondeu-lhe com ato como nunca se vira: pôs o governo em greve, largou mais uma bombástica frase: - Já chega... Não gosto de ser ofendido, não gosto de ser sequestrado, pá, chateia-me... «Se não me segurassem, matava-o...» A 23 de novembro, houve mais uma jornada para o Nacional – e o FC Porto empatou em Aveiro com o Beira-Mar, deixando Stankovic, o seu treinador, em cada vez mais maus lençóis. O Benfica também empatou, mas em Braga – mas, mesmo sem Eusébio, continuou, com Mário Wilson ao leme, de vento em popa a caminho do título. O Sporting? O Sporting, que nesse ano andara sobretudo em contradança, vá lá: ganhou ao Belenenses. Horas depois, Ramalho Eanes, Melo Antunes, Vasco Lourenço e Jaime Neves foram a Belém dar conta da intenção a Costa Gomes - e Neves contou: - Se não me segurassem eu matava-o. Atirei-me a ele, agarrei-lhe o pescoço, sim até o matava... Porque ele, que era o PR, o Chefe do Estado Maior, não queria assumir nada, a responsabilidade das operações militares, só dizia que os outros eram coitadinhos e por aí adiante, não, não estava hesitante, estava cheio de medo, cheio de medo... A morte do jogador de basquetebol e Jaime Neves com Jorge de Brito... Era já 25 de novembro: quando no Ralis, onde os soldados tinham feito um juramento revolucionário de punho fechado, Dinis de Almeida e Carlos Fabião foram presos, os revoltosos entregaram-se, em catadupa, ao capitão Salgueiro Maia. Estando a Polícia Militar a entregar-se também na Ajuda ao pelotão de comandos de Jaime Neves – uma milícia popular disparou de um prédio fronteiro e matou-lhe três homens. Um deles, José Eduardo Coimbra, era grande esperança do basquetebol nacional, estava miliciano na Amadora, jogava na equipa do BPM, no Porto. (Em 1981 Jaime Neves passou à reserva, foi trabalhar para Jorge de Brito como seu gestor de propriedades. Continuou a acompanhar o clube para todo o lado - era ritual que tinha desde os tempos de Eusébio, que só não cumpria quando andava po África fazer-se herói. Comandara a companhia 2045, uma das últimas forças especiais a deixar a guerra colonial - e nela se inspirou para, com mais seis comandos, fundar uma empresa de segurança: 2045, o seu último projecto de vida...) ...