A Olímpica Síndrome de Cheshire (artigo de Gustavo Pires, 47)

Olimpismo 07-11-2016 00:54
Por Gustavo Pires
No dia 11 de Outubro de 2016, numa organização conjunta do Comité Olímpico de Portugal (COP) e do Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ), quer dizer, numa espécie de casamento contranatura, em que participaram as modalidades inscritas no programa dos Jogos Olímpicos a fim de ser realizado uma “exercício avaliativo” “sobre a participação desportiva nos Jogos do Rio 2016 e, bem assim, extrair ensinamentos suscetíveis de ajudar a melhorar a participação portuguesa nos próximos Jogos Olímpicos de Tóquio (2020), num documento elaborado, se não pelo presidente do COP seguramente com o seu conhecimento, pode ler-se:

“… basta um pouco de bom senso para, no mínimo, duvidar que as variáveis sistémicas sejam preponderantes para explicar porque um atleta que ao longo de um ciclo olímpico de quatro anos obteve regularmente classificações, marcas e resultados num determinado nível fique aquém dessas referências quando compete nos Jogos Olímpicos” (Cf. Portal do Comité Olímpico de Portugal).

Entretanto, a 27 de Outubro de 2016, quer dizer, passados pouco mais de duas semanas, o presidente do COP, no Jantar Convívio do Panathlon Clube de Lisboa, (27-10-2012), certamente para espanto dos comensais mais atentos afirmou: “a pequena diferença que pode existir entre uma medalha olímpica e os lugares imediatos, trata-se de um problema de natureza sistémica” (Cf. Revista Atletismo, 2016-10-30).

Pergunta-se: Para o presidente do COP, as variáveis sistémicas que determinam a natureza sistémica de um problema são ou não preponderantes para os resultados olímpicos? A obtenção de uma medalha olímpica é ou não é um problema de natureza sistémica?

Entretanto, adianto que, para mim, no estado de desorganização total em que se encontra o desporto nacional, o verdadeiro problema não é a preponderância ou não das variáveis sistémicas. O verdadeiro problema que hoje se coloca ao desporto nacional e, em particular ao Movimento Olímpico, é o da síndrome do gato Cheshire. Como o gato Cheshire explicou à Alice, a do “país das maravilhas”, – quem não sabe para onde quer ir qualquer caminho lhe serve.

Ora, quando qualquer caminho serve o destino certo é chegar-se a lado nenhum. O Movimento Olímpico português, como se prova pela chefia do Ciclo Olímpico do Rio (2016) chegou, inexoravelmente, a lado nenhum. Se é que já lá não estava. O que o Movimento Olímpico necessita não é de um “exercício avaliativo” em circuito fechado com entidades que dependem financeiramente do COP, nem de jantares no Panathlon Clube de Lisboa com discursos em que, numa espécie de “gestão vudu”, se procura transformar as derrotas em vitórias ajustando os objetivos previamente determinados aos pindéricos resultados obtidos, a fim de se transformar um desaire nacional num êxito pessoal.

O que o Movimento Olímpico necessita, e urgentemente, é de um exame de consciência do presidente do COP cerca daquilo que foi a sua chefia no Ciclo Olímpico do Rio de Janeiro que, entre os ridículos “Lusofonia Games”, o inaceitável conflito com o presidente do S L e Benfica e a inacreditável situação de Rui Bragança, entre outras preciosidades, conduziu aos piores resultados desportivos desde os JO de Barcelona (1992).

Infelizmente, o Movimento Olímpico em Portugal, devido à incapacidade política do Governo, sofre da síndrome de Cheshire. Qualquer caminho lhe serve desde que alguns dirigentes pseudodesportivos se mantenham agarrados ao poder. Em consequência, daqui a quatro anos, nos Jogos Olímpicos de Tóquio (2020), o Movimento Olímpico nacional vai, infelizmente, mais uma vez, chegar a lado nenhum.

Gustavo Pires é professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana
Ler Mais
18:51  -  30-10-2016
Olímpico-tropicalismo (artigo de Gustavo Pires, 46)
19:15  -  10-10-2016
Olimpismo Líquido (artigo de Gustavo Pires, 45)
00:12  -  24-09-2016
Comité Olímpico de Portugal: Conselho de Ética (artigo de Gustavo Pires, 44)
17:14  -  09-09-2016
Olímpica Desilusão (artigo de Gustavo Pires, 43)
23:39  -  10-08-2016
Jogos Olímpicos: O Importante é Participar (artigo de Gustavo Pires, 42)
23:13  -  29-07-2016
Jogos Olímpicos – Bem-vindos à Nova “Guerra Fria” (artigo de Gustavo Pires, 41)
22:08  -  21-07-2016
Mais Olimpismo, Mais Futebol, Mais Futuro… (artigo de Gustavo Pires, 40)
00:39  -  09-07-2016
Legados Olímpicos: A Galinha dos Ovos de Ouro (artigo de Gustavo Pires, 39)
20:10  -  23-06-2016
23 de Junho – Dia Olímpico (artigo de Gustavo Pires, 38)
19:48  -  13-06-2016
Olimpíadas, Jogos Olímpicos & Ciclos Olímpicos (artigo de Gustavo Pires, 37)
20:41  -  27-04-2016
A Fundação do Comité Olímpico de Portugal: 30 de Abril de 1912 (artigo de Gustavo Pires, 34)
16:08  -  02-04-2016
Marcelo Rebelo de Sousa: O Futebol ao Serviço dos Portugueses… (artigo de Gustavo Pires, 32)
18:53  -  24-03-2016
Vergonha Olímpica (artigo de Gustavo Pires, 31)
01:04  -  12-03-2016
Plano Estratégico para o Desporto (artigo de Gustavo Pires, 30)
23:17  -  23-02-2016
Desenvolvimento, Estratégia e “Realpolitik” (artigo de Gustavo Pires, 29)
21:48  -  09-02-2016
Simplesmente…, Mulheres… (artigo de Gustavo Pires, 28)
20:44  -  15-01-2016
Olimpicamente Dopados (artigo de Gustavo Pires, 27)
19:51  -  13-12-2015
João Wengorovius Meneses e o Aniversário Neokitsch do COP (artigo de Gustavo Pires, 25)
23:18  -  29-11-2015
Uma Nova Agenda para o Desporto (artigo de Gustavo Pires, 24)
21:14  -  22-11-2015
O XXI Governo e a Galinha das Medalhas Olímpicas (artigo de Gustavo Pires, 23)
19:12  -  08-11-2015
O Catalisador Olímpico (artigo de Gustavo Pires, 22)
15:53  -  26-10-2015
Educação Física & Desporto: Um Absurdo Epistemológico (artigo de Gustavo Pires, 21)
18:07  -  20-09-2015
Programas Eleitorais – Partido Socialista (artigo de Gustavo Pires, 19)
22:59  -  31-07-2015
A Síndrome Blatter e o Futuro do Movimento Olímpico (artigo de Gustavo Pires, 17)
17:40  -  15-07-2015
Francisco Lázaro – A Primeira Morte nos Jogos Olímpicos Modernos (artigo de Gustavo Pires, 16)
16:49  -  11-07-2015
A Desgraçada Moeda Olímpica (artigo de Gustavo Pires, 15)
22:30  -  19-06-2015
Olimpismo e Direitos Humanos (artigo de Gustavo Pires, 14)
20:20  -  07-06-2015
De uma Cultura de Balneário para uma Cultura de Clube (artigo de Gustavo Pires, 13)
17:59  -  24-05-2015
Olimpismo e Cultura de Participação (artigo de Gustavo Pires, 12)
00:38  -  18-04-2015
Olimpismo e Desenvolvimento: Um Processo Amigável (artigo de Gustavo Pires, 11)
22:49  -  10-04-2015
Um Movimento Olímpico Vazio de Significância (artigo de Gustavo Pires, 10)
22:37  -  02-04-2015
Espírito Olímpico (artigo de Gustavo Pires, 9)
22:27  -  26-03-2015
Thomas Bach versus Pierre de Coubertin (artigo de Gustavo Pires, 8)
16:50  -  21-03-2015
Thomas Bach e a Educação Física (artigo de Gustavo Pires, 7)
19:02  -  26-02-2015
A Educação da Violência (artigo de Gustavo Pires, 6)
15:43  -  22-01-2015
Pierre de Coubertin, Olimpicamente Neoliberal (artigo de Gustavo Pires, 5)
23:58  -  14-11-2014
As Olisipíadas: Para uma Cultura de Autenticidade (artigo de Gustavo Pires, 4)
19:04  -  31-10-2014
Pierre de Coubertin e o Modelo Europeu de Desporto (artigo de Gustavo Pires, 3)
17:43  -  14-10-2014
A Competição em Pierre de Coubertin (artigo de Gustavo Pires, 2)
18:53  -  29-09-2014
«Ver longe... Ser Competente... Organizar o Futuro...» (artigo de Gustavo Pires, 1)
Comentários (0)

Últimas Notícias

ATENÇÃO: Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais